EUA apelam a Mianmar para "não recorrer à violência" após a morte de manifestante

·1 minuto de leitura
Mulher segura cartaz com a imagem da manifestante morta a tiros Mya Thwate Thwate Khaing, durante protesto contra o golpe militar, em Yangon, Mianmar, em 19 de fevereiro de 2021

Os Estados Unidos pediram nesta sexta-feira(19) à junta militar de Mianmar que renuncie ao uso da violência após a morte de uma manifestante, a primeira desde o golpe de 1º de fevereiro.

"Condenamos toda a violência contra o povo birmanês e reiteramos nossos apelos ao exército birmanês para não recorrer à violência contra manifestantes pacíficos", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, a jornalistas.

Mya Thwate Thwate Khaing foi baleada na cabeça em 9 de fevereiro durante uma manifestação contra o golpe em Naypyidaw, capital administrativa da Birmânia. A manifestante de 20 anos morreu nesta sexta-feira.

"Expressamos nossas mais profundas condolências à família dela e a todos os feridos durante os protestos pacíficos em Mianmar", disse o porta-voz da diplomacia dos EUA.

A jovem rapidamente se tornou um símbolo de resistência para os manifestantes que exigiam a libertação da líder do governo civil Aung San Suu Kyi, o fim da ditadura e a revogação da constituição de 2008, muito favorável ao exército.

Os Estados Unidos denunciaram repetidamente a acusação da laureada com o Prêmio Nobel da Paz e exigiram sua libertação.

sct/iba-rle-cjc/rle/dg/rsr/jc