EUA aprovam primeiro remédio contra covid-19, mas OMS diz que antiviral tem pouca eficácia

·3 minuto de leitura
Ampola de remdesivir
Remdesivir foi primeiro tratamento para covid-19 aprovado pelo FDA, neste caso para pacientes hospitalizados

A agência sanitária dos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA), aprovou o antiviral remdesivir como tratamento para covid-19 em hospitais.

O FDA afirmou que o Veklury, a marca do medicamento, reduziu o tempo de recuperação da doença em média em cinco dias, segundo observado em ensaios clínicos (testes de tratamento com humanos).

"O Veklury é o primeiro tratamento para covid-19 a receber a aprovação do FDA", disse a agência em comunicado.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), porém, disse na semana passada que o remdesivir teve pouco ou nenhum efeito na sobrevida dos pacientes.

A OMS afirmou isso baseando-se em seus próprios estudos — mas a fabricante do medicamento, a Gilead, rejeitou estes resultados.

Desde maio, o remdesivir é autorizado para uso emergencial nos EUA.

Recentemente, o presidente Donald Trump recebeu o medicamento para tratar a covid-19, da qual ele já se recuperou.

O antiviral foi criado inicialmente para combater o ebola — sem no entanto passar da fase dos experimentos para a comercialização.

Em testes com animais, o remdesivir mostrou inibir a replicação de alguns vírus, como foi observado para a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS). In vitro, com células cultivadas em laboratório, o medicamento também mostrou boa atividade contra o coronavírus que causa a covid-19. Entretanto, o sucesso em laboratórios não quer dizer sucesso no tratamento de humanos — por isso os ensaios clínicos são tão importantes.

O que mais disse o FDA?

Fachada de prédio diz: Food and Drug Administration
Food and Drug Administration (FDA) diz ter se baseado em três ensaios clínicos que mostraram resultados favoráveis ao remdesivir, aprovado agora pela agência

Em comunicado, a agência sanitária disse que o medicamento foi aprovado nesta quinta-feira (22/10) "para uso em pacientes adultos e pediátricos com 12 anos de idade ou mais e pesando pelo menos 40 quilos no tratamento de covid-19 que requer hospitalização".

"A aprovação de hoje é apoiada por dados de vários ensaios clínicos que a agência avaliou rigorosamente e representa um marco científico importante na pandemia covid-19", disse Stephen Hahn, médico do FDA.

O órgão disse que se baseou em "três ensaios clínicos randomizados e controlados que incluíram pacientes hospitalizados com covid-19 leve a grave".

Um dos estudos mostrou que "o tempo médio de recuperação da covid-19 foi de 10 dias para o grupo (que recebeu) Veklury em comparação com 15 dias para o grupo do placebo (um tratamento inócuo, usado para teste)".

E o estudo da OMS?

Em seu projeto de ensaios clínicos Solidarity, a OMS está testando quatro tratamentos potenciais para a covid-19. O remdesivir é um deles, além da combinação lopinavir/ritonavir, usada contra a Aids; e o interferon beta-1a, usado contra doenças autoimunes. A hidroxicloroquina também foi escalada inicialmente como candidata, mas depois foi retirada do Solidarity.

Os ensaios envolveram 11.266 pacientes em 500 hospitais em mais de 30 países diferentes.

Os resultados, que ainda não foram avaliados por pares (outros cientistas, não envolvidos diretamente nos testes com os tratamentos), sugeriram que nenhum destes medicamentos teve um efeito substancial na redução da mortalidade ou tempo de internação, disse a OMS.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!