Em primeira operação de Biden, ataque dos EUA na Síria deixa ao menos 22 mortos

Bachir EL KHOURY con Paul HANDLEY en Washington
·3 minuto de leitura

Pelo menos 22 combatentes foram mortos em ataques dos Estados Unidos a milícias pró-iranianas no leste da Síria - informou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), nesta sexta-feira (26).

Esta é a primeira operação militar do governo Joe Biden, decidida em represália aos foguetes lançados contra as tropas americanas no Iraque.

Leia também:

O Departamento americano da Defesa disse que fez ataques aéreos em um posto de controle da fronteira entre Síria e Iraque usado por esses grupos. "Múltiplas instalações" foram destruídas.

"Esses bombardeios foram autorizados em resposta aos recentes ataques contra o pessoal americano e da Coalizão no Iraque e contra as contínuas ameaças a esse pessoal", disse o porta-voz John Kirby, em um comunicado.

Kirby afirmou que o alvo eram facções da poderosa coalizão de paramilitares iraquianos apoiados pelo Irã - Hashed al-Shaabi, Kataeb Hezbollah e Kataeb Sayyid al-Shuhada.

Os ataques destruíram três caminhões de munições procedentes do Iraque em um posto fronteiriço ilegal ao sul da cidade síria de Bukamal, segundo o OSDH.

"Pelo menos 22 combatentes da milícias iraquianas pró-iranianos foram mortos, todos membros do Hashed al-Shaabi", disse o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman, à AFP, após um primeiro balanço de 17 mortos.

A televisão estatal síria confirmou nesta sexta-feiram em seu canal Telegram que houve "uma agressão americana" com "ataques aéreos em setores na fronteira sírio-iraquiana".

Represálias "proporcionais"

Os bombardeios se deram após três ataques com foguetes contra instalações situadas no Iraque e que são usadas pelas forças americanas e da coalizão que lutam contra o grupo Estado Islâmico (EI).

Um desses ataques, contra um complexo militar em Erbil, capital da região curda, em 15 de fevereiro, matou um civil e um funcionário terceirizado estrangeiro que trabalhava com as forças da coalizão. Vários terceirizados americanos e um soldado ficaram feridos.

Os ataques no Iraque cometidos por grupos que estariam operando sob a direção do Irã representam um desafio para o governo de Joe Biden, em um momento que se abre a porta para a retomada das negociações com Teerã sobre seu programa nuclear.

O atual governo americano diz que quer retomar o acordo de 2015, abandonado pelo agora ex-presidente Donald Trump em 2018. Ao mesmo tempo, Washington vê Teerã como uma ameaça contínua à segurança no Oriente Médio e afirma que não vai tolerar "atividades malignas" realizadas pela República Islâmica.

Os Estados Unidos suspeitam de que o Irã esteja buscando uma oportunidade para vingar o assassinato do general Qassem Soleimani, por parte das forças americanas, há um ano. Oficial de alta patente do Corpo da Guarda Revolucionária do Irã, Soleimani era o principal elo de Teerã com grupos e personalidades aliadas no Iraque, na Síria, no Líbano e em outras partes da região.

Ele foi morto em um ataque com drones dos Estados Unidos, quando chegava a Bagdá para se reunir com funcionários de alto escalão do governo iraquiano.

O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, declarou na segunda-feira que os Estados Unidos "responsabilizariam o Irã pelas ações de seus representantes que atacam os americanos", mas que não "atacariam" nem correriam o risco de desestabilizar o Iraque.

Kirby classificou os ataques de quinta-feira como "proporcionais", acrescentando que "foram realizados em conjunto com medidas diplomáticas", como consultas com sócios dos Estados Unidos na coalizão anti-EI. O porta-voz disse também que o objetivo era reduzir a tensão no leste da Síria e no Iraque.

"A operação envia uma mensagem inequívoca: o presidente Biden agirá para proteger o pessoal americano e da Coalizão", frisou.