EUA cobrirá custos de processos contra jornalistas no exterior

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
A diretora da USAID, Samantha Power (AFP/Jim WATSON)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Os Estados Unidos dedicarão recursos para ajudar os jornalistas no exterior a enfrentarem os custos de processos oportunistas que têm o objetivo de silenciá-los, anunciou nesta quinta-feira (4) a diretora da agência americana para o desenvolvimento internacional (USAID, na sigla em inglês), Samantha Power.

A titular da USAID também prometeu aumentar drasticamente a assistência a grupos locais e fazer com que essa ajuda seja mais inclusiva e efetiva.

Power, uma ex-repórter, disse que o governo de Joe Biden estabelecerá um "fundo global de defesa contra a difamação" para jornalistas como parte de sua agenda de promoção da democracia.

"Ofereceremos a cobertura [de custos] para sobreviver às denúncias de difamação ou dissuadir os autocratas e oligarcas de tentar processá-los para retirá-los de circulação", disse Power na escola de relações internacionais Edmund Walsh da Universidade de Georgetown, uma das mais influentes do mundo.

A dirigente acrescentou que as conversas que manteve com jornalistas internacionais mostraram que os regimes autocráticos usam cada vez mais a "tática crua, mas efetiva" de processar os meios de comunicação em dificuldades financeiras para matar as histórias que não lhes agradam.

"Na medida em que os autocratas se tornam mais inteligentes em suas tentativas de controlar e manipular as pessoas, devemos ajudar a apoiar uma imprensa mundial livre e justa para que os líderes prestem contas", afirmou.

Power, contudo, não deu detalhes de como funcionará o fundo e nem se o mesmo também será utilizado para apoiar jornalistas em países aliados dos Estados Unidos.

Biden planeja realizar uma cúpula em dezembro para apoiar a democracia com o objetivo de mostrar uma mudança em relação a seu antecessor Donald Trump, que abraçou líderes autocráticos e denunciou persistentemente o papel dos meios independentes.

Os críticos, no entanto, provavelmente apontarão uma contradição no posicionamento de Washington, já que continua solicitando ao Reino Unido a extradição do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que se considera um jornalista e enfrentaria uma pena de prisão perpétua por vazar documentos sigilosos dos Estados Unidos.

- Grupos locais -

Power indicou que os Estados Unidos aumentariam drasticamente a assistência canalizada por meio de grupos locais. “Se realmente queremos que a ajuda seja inclusiva, as vozes locais devem estar no centro de tudo o que fazemos”, explicou.

Em um primeiro esforço, anunciou uma iniciativa para direcionar 300 milhões de dólares nos próximos cinco anos para organizações em El Salvador, Guatemala e Honduras, países-chave para o governo Biden em sua busca por reduzir as causas da migração.

Os grupos realizarão programas em áreas como combate à corrupção, lutra contra a violência sexual e fomento do crescimento sustentável.

Apesar do amplo apoio a uma mudança, a porcentagem da ajuda americana a nível global que passa por grupos locais aumentou apenas de 4% para 6% na última década, reconheceu ela.

Power estabeleceu a meta de direcionar pelo menos um quarto dos fundos da USAID através de grupos locais nos próximos quatro anos, inclusive autorizando o pessoal em campo a conceder mais contratos.

sct/mlm/yow/gm/rpr/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos