Veja também

EUA condenam plano israelense de ampliar assentamentos

30 de novembro de 2012
(2010) Soldados israelenses observam as obras em um assentamento
(2010) Soldados israelenses observam as obras em um assentamento

A Casa Branca condenou nesta sexta-feira a decisão de Israel de construir 3 mil novas habitações em Jerusalém Oriental e Cisjordânia, considerando-as contraproducentes, e disse que a ação tornaria a retomada das negociações de paz mais difíceis.

"Reiteramos nossa antiga oposição aos assentamentos e os anúncios de (novas) construções em Jerusalém Oriental. Acreditamos que essas ações (...) dificultam a retomada das negociações diretas ou uma solução de dois estados", disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Tommy Vietor.

"As negociações diretas continuam sendo nosso objetivo e encorajamos todas as partes a tomar medidas que tornem mais fácil de alcançá-la," disse Vietor.

Israel revelou mais cedo planos, em resposta à votação histórica na Assembleia Geral da ONU na quinta-feira, apoiando uma resolução que reconhece a Palestina segundo as fronteiras de 1967 como um Estado observador não-membro da ONU.

Segundo a imprensa, algumas construções seriam em uma área de muito disputada da Cisjordânia conhecida como E1, um corredor localizado entre a fronteira mais oriental da anexada Jerusalém Oriental e o assentamento de Maaleh Adumim.

A Organização para a Libertação da Palestina condenou a ação como um ato de "agressão israelense contra um Estado."

Os palestinos se opõem ao projeto E1, já que ele efetivamente corta a Cisjordânia ocupada em duas, de norte a sul, e torna a criação de um estado palestino viável muito problemática.