EUA debate se Taiwan vale uma guerra com a China

·3 minuto de leitura
(ARQUIVO) Oficiais da Marinha de Taiwan desfilam em frente à fragata 'Feng Chia' (1115) no porto de Kaohsiung, em 07 de novembro de 2018

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pretende anunciar sua estratégia para negociar com Pequim em um futuro próximo e se multiplicam os apelos para que ele defenda militarmente Taiwan em caso de agressão chinesa.

Com 23 milhões de habitantes, Taiwan é considerada pela China como uma província rebelde chamada a retornar ao seu controle, pela força se necessário. Os Estados Unidos, que reconhecem Pequim diplomaticamente desde 1979, mantêm relações com Taipé e continuam sendo seu principal apoiador militar.

Uma lei dos EUA torna obrigatório ajudar a ilha em caso de conflito, mas durante décadas os Estados Unidos aplicaram uma "ambiguidade estratégica" ao se abster de dizer sob quais circunstâncias interviriam militarmente em defesa de Taiwan.

O objetivo é duplo: evitar dar a Pequim um pretexto para seguir uma política mais agressiva em relação a Taipé e também evitar qualquer relutância do governo taiwanês em declarar formalmente a sua independência, o que faria soar os tambores da guerra.

Essa ambiguidade tem permitido uma certa estabilidade na região, mas diante da crescente agressividade de Pequim, alguns especialistas, como Richard Haas, influente presidente do Conselho de Relações Exteriores, acreditam que "chegou a hora de os Estados Unidos introduzirem um estratégia clara."

Biden deveria "deixar explícito que os Estados Unidos responderão ao uso da força da China contra Taiwan", disse Haas em um artigo de setembro na revista Foreign Relations. O debate então assumiu uma escala mais ampla.

"A ambiguidade envia um sinal para Pequim de que o envolvimento dos EUA na região é duvidoso", afirmou recentemente a oficial da Marinha dos EUA, Michele Lowe.

"A clareza envia o sinal oposto", acrescentou Lowe, assessora do Chicago Council on Global Affairs.

- "Profundamente desestabilizador" -

A aviação chinesa multiplicou suas incursões na zona de identificação de defesa aérea de Taiwan nos últimos meses. Os militares americanos temem uma invasão surpresa e criticam o que a seus olhos é uma falta de clareza da Casa Branca.

O almirante Philip Davidson, ex-chefe das forças americanas na região do Indo-Pacífico, disse ao Congresso em março que a China poderia invadir a ilha "nos próximos seis anos" e advertiu que o conceito de ambiguidade estratégica "deve ser reavaliado".

Duas semanas depois, o almirante John Aquilino, seu sucessor, falou no Senado e foi vago sobre o momento de uma possível invasão chinesa. No entanto, ele estava aberto a considerar com o secretário de Defesa Lloyd Austin "os riscos e benefícios potenciais de uma mudança de política".

Outros assessores de Biden são mais reticentes, como a diretora de serviços de inteligência Avril Haines, que foi questionada sobre essa eventual mudança de estratégia durante uma audiência na Comissão do Senado das Forças Armadas.

"Os chineses considerariam isso profundamente desestabilizador", respondeu ele. "Acho que solidificaria a percepção chinesa de que os Estados Unidos tendem a limitar o poder da China, mesmo pela força; provavelmente faria com que Pequim minasse os interesses dos EUA em todo o mundo", acrescentou.

Além disso, ele argumentou, o governo taiwanês poderia ser levado a declarar independência; especialmente porque a posição de Taipei sobre o assunto foi fortalecida desde a repressão em Hong Kong.

Mas Biden não parece tentado a abandonar toda ambiguidade, de acordo com seu conselheiro de Segurança Nacional, Jake Sullivan.

"Seguimos os passos do consenso bipartidário de décadas com os governos republicanos e democratas sobre as relações EUA-China e nos opomos à mudança unilateral do status quo", disse Sullivan em uma conferência na semana passada.

"Comunicamos isso à China e afirmamos isso a Taiwan", disse.

sl/dax/gm/yow/jc/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos