CORREÇÃO-EUA defendem Ucrânia contra ações "imprudentes" da Rússia, diz Blinken

·2 minuto de leitura
Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, durante reunião com presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, em Kiev

(Corrige 7º parágrafo para esclarecer que a Crimeia foi anexada da Ucrânia em 2014, e não à Ucrânia)

Por Matthias Williams e Natalia Zinets

KIEV (Reuters) - O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, disse nesta quinta-feira que Washington pode aumentar a assistência de segurança para a Ucrânia depois do que ele chamou de ações "imprudentes e agressivas" da Rússia em reunir tropas perto da fronteira do país.

Durante uma visita a Kiev com a intenção de mostrar apoio à Ucrânia, Blinken disse que a Rússia deixou para trás um número significativo de tropas e equipamentos, apesar de ter anunciado a retirada de suas forças de perto da fronteira, após um impasse que alarmou o Ocidente.

Blinken também disse que o presidente norte-americano, Joe Biden, estava interessado em visitar a Ucrânia e se encontrar com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, mas não deu detalhes sobre isso ou sobre as aspirações da Ucrânia de aderir à aliança militar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

"Estamos conscientes de que a Rússia retirou algumas forças da fronteira com a Ucrânia, mas também vemos que forças significativas permanecem lá, equipamentos significativos permanecem lá", disse Blinken, ao lado de Zelenskiy.

"Estamos monitorando a situação muito, muito de perto", afirmou Blinken. "E posso lhe dizer, senhor presidente, que estamos firmemente com você, parceiros também. Eu ouvi a mesma coisa quando estive na Otan há algumas semanas e esperamos que a Rússia pare com as ações imprudentes e agressivas."

Washington está "procurando ativamente fortalecer ainda mais a nossa cooperação de segurança e nossa assistência de segurança", informou sem dar detalhes.

Zelenskiy disse que a Rússia havia retirado apenas cerca de 3.500 das dezenas de milhares de soldados enviados para a península da Crimeia que foi anexada da Ucrânia em 2014.

"Pode haver uma ameaça. Ninguém quer essas surpresas", declarou.

(Por Matthias Williams, Natalia Zinets e Pavel Polityuk)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos