EUA descartam convidar Cuba, Nicarágua e Venezuela para Cúpula das Américas

(Arquivo) Foto de família da Cúpula das Américas de 2015, no Panamá, que contou com a participação do governo cubano (AFP/MANDEL NGAN) (MANDEL NGAN)

Os Estados Unidos não vão convidar Cuba, Nicarágua e Venezuela à Cúpula das Américas de junho, afirmou, nesta segunda-feira (2), o responsável do Departamento de Estado para a região, Brian Nichols.

"Em um momento-chave em nosso hemisfério, um momento em que estamos enfrentando muitos desafios para a democracia e os países [...] Cuba, Nicarágua e o regime de [Nicolás] Maduro não respeitam a Carta Democrática das Américas e, por isso, não espero sua presença", declarou Nichols, em entrevista à emissora NTN24.

À pergunta de se Washington convidaria o governo cubano, que compareceu à cúpula de 2015 no Panamá, Nichols respondeu: "Não". "É uma decisão do presidente [Joe Biden], mas acredito que ele foi bem claro que [...] os países que, por suas ações, não respeitem a democracia, não vão receber convites", acrescentou.

Na semana passada, Cuba denunciou que os Estados Unidos a haviam excluído dos preparativos para a cúpula e qualificou esse ato de "retrocesso histórico" do governo de Biden.

Os três países já figuram na lista dos excluídos na região para a Cúpula pela Democracia que foi realizada em dezembro, em Washington, junto com Bolívia, El Salvador, Honduras, Guatemala e Haiti.

As relações entre Estados Unidos e Cuba pioraram ainda mais desde o que Washington chama de "onda de opressão" após os protestos de julho de 2021 na ilha, que terminaram com uma morte, dezenas de feridos e 1.395 detidos, segundo a última contagem da ONG com sede em Miami, Cubalex.

Cuba culpa os Estados Unidos de estar por trás desses protestos, os maiores desde o triunfo da revolução em 1959.

Por outro lado, o governo Biden não reconhece os presidentes de Nicarágua, Daniel Ortega, e Venezuela, Nicolás Maduro, por considerar que foram eleitos em pleitos não democráticos.

Os Estados Unidos e dezenas de países consideram Juan Guaidó presidente interino da Venezuela desde a reeleição do mandatário socialista em 2018.

erl/gm/rpr/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos