EUA descartam repassar ao Brasil vacinas da AstraZeneca que não estão sendo usadas

com agências internacionais
·2 minuto de leitura

RIO — Os Estados Unidos descartaram nesta sexta-feira doar ao Brasil e a outros países duramente afetados pela Covid-19 parte do seu estoque de 30 milhões de vacinas da AstraZeneca. Esse imunizante ainda não recebeu autorização para uso emergencial na maior potência mundial.

Responsável pela supervisão das ações tomadas contra a Covid-19 na Casa Branca, Jeff Zients disse que os EUA vão manter seu estoque para que a vacina possa ser distribuída rapidamente aos cidadãos americanos caso haja uma autorização de uso emergencial.

"Temos um pequeno estoque da AstraZenec. Se aprovado, podemos enviar esse estoque para o povo americano", disse Zients nesta sexta-feira.

Funcionários do governo americano estavam discutindo internamente a possibilidade de repassar parte das vacinas a outros países, segundo o New York Times. A própria AstraZeneca estaria incluída nas conversas.

— Entendemos que outros governos entraram em contato com o governo americano para falar sobre a doação das doses da AstraZeneca, e pedimos ao governo americano para que considere esses pedidos — afirmou ao diário americano Gonzalo Viña, porta-voz do laboratório.

Os EUA adquiriram 30 milhões de doses da vacina da AstraZeneca, hoje armazenadas em um depósito no estado de Ohio, mas elas ainda não podem chegar aos braços dos americanos porque o laboratório não terminou os testes da fase 3 nos Estados Unidos e, por isso, não fez o pedido de uso emergencial à FDA, agência responsável por autorizar medicamentos no país, equivalente à Anvisa.

Por outro lado, a vacina já foi liberada por cerca de 70 países, incluindo o Brasil, onde é a principal aposta do governo Bolsnaro, o Reino Unido e a União Europeia, onde há problemas no fornecimento das doses.

Segundo o New York Times, o governo americano rejeitou os pedidos feitos para liberação das doses para outros países até agora, mas Viña garante que as conversas estão em andamento. No começo da semana, a Folha de São Paulo revelou que governadores do Nordeste estudam pedir diretamente ao governo Biden a liberação de 10 milhões de doses da vacina.

Um dos fatores que podem travar as negociações é o plano do governo dos EUA para intensificar o ritmo de vacinação no país. Segundo Biden, até meados de maio a ideia é ter doses suficientes para toda a população acima de 18 anos — nesta quinta, o presidente instruiu os estados a liberarem as vacinas a todos adultos a partir do dia 1º de maio. Mas a AstraZeneca afirma que, caso as doses sejam repassadas, não haverá prejuízo aos americanos.

— Se isso ocorrer, vamos pedir orientação do governo dos EUA sobre a reposição das doses para uso no país — declarou Viña.

Na quarta-feira, o próprio Biden declarou que doaria as doses excedentes caso os estoques superem o necessário para vacinar a população do país.