EUA destaca seu papel na vacinação mundial anticovid em meio ao aumento da variante Delta

·2 minuto de leitura
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, antes de um discurso em Washington

Os Estados Unidos anunciaram, nesta terça-feira (3), que doaram mais de 100 milhões de doses de vacinas anticovid em todo o mundo, enquanto o presidente Joe Biden busca conter o aumento casos pela variante Delta.

O anúncio, que segue a conquista tardia de Biden de aplicar ao menos uma dose da vacina em 70% da população adulta até 4 de julho, marca "só o começo" dos esforços dos Estados Unidos para ajudar o mundo a combater a covid-19, disse a Casa Branca.

O coronavírus matou pelo menos 4,2 milhões de pessoas desde seu surgimento na China no final de 2019. Os Estados Unidos, com mais de 613.000 mortes, são o país com mais vítimas mortais do mundo.

A disponibilidade de vacinas fez com que o número diário de novos casos se reduzisse drasticamente em muitos países nos últimos meses, mas a variante Delta, altamente contagiosa, impulsiona o aumento das infecções.

Biden planeja fazer declarações às 16h45 (horário de Brasília) sobre uma "peça fundamental de sua estratégia para acabar com a pandemia de covid-19: conter a propagação do vírus no exterior", segundo um comunicado da Casa Branca.

Até agora, os Estados Unidos enviaram 111.701.000 doses para mais de 60 países, a maioria por meio da iniciativa internacional Covax impulsionada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), mas também em colaboração com sócios como a União Africana ou Caricom (Comunidade do Caribe).

"Segundo as Nações Unidas, isso é mais do que as doações de todos os outros países combinados e reflete a generosidade do espírito americano", afirmou um comunicado da Casa Branca.

Segundo a lista de países publicada, que inclui 16 latino-americanos, os principais beneficiados foram Indonésia (8 milhões de doses), Filipinas e Colômbia (6 milhões de doses ou mais), assim como Vietnã, Bangladesh, Paquistão e África do Sul (5 milhões ou mais).

Na América Latina, além da Colômbia, houve envios para Guatemala (4,5 milhões), México (4,04), Argentina (3,5), Brasil, El Salvador e Honduras (3 milhões cada um), Paraguai, Peru e Equador (2 milhões cada um), Bolívia (1,008 milhão) e Costa Rica, Haiti, Panamá e Uruguai (com 500.000 ou mais cada um).

O governo de Biden afirmou que, a partir do final de agosto, começará a enviar os 500 milhões de doses da vacina Pfizer que se comprometeu a doar a 100 países em desenvolvimento.

A Casa Branca insistiu que os Estados Unidos não usam as imunizações contra a covid-19 para ganhar o favor de outros países. China e Rússia foram acusadas de participarem da chamada "diplomacia das vacinas".

Biden prevê falar nesta terça-feira sobre o empenho de seu governo para incentivar a vacinação no exterior, mas também no país, à medida que a variante Delta se propaga e desencadeia novas restrições por parte das autoridades de governo e das empresas.

aue/dw/ad/lda/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos