EUA discutem 'desnuclearização' da Coreia do Norte com Japão e Coreia do Sul

·2 minuto de leitura
Nesta foto de arquivo, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, tira sua máscara antes de se dirigir à mídia ao lado do conselheiro de Segurança Nacional, Jake Sullivan

O governo dos Estados Unidos mostrou nesta sexta-feira sua vontade de "cooperar" com o Japão e a Coreia do Sul para a "desnuclearização" norte-coreana, durante uma conversa com enviados dos dois países aliados, a fim de ajustar sua estratégia para Pyongyang.

O conselheiro de Segurança Nacional da Presidência americana, Jake Sullivan, se reuniu com seus colegas japonês, Shigeru Kitamura, e sul-coreano, Suh Hoon, na Academia Naval de Annapolis, perto de Washington.

Nessa reunião, a equipe dos Estados Unidos pretendia explicar a seus interlocutores os avanços do governo de Joe Biden em sua revisão da política norte-coreana, que agora está chegando ao fim, segundo informou ontem o porta-voz da diplomacia americana, Ned Price.

As três autoridades "compartilharam suas preocupações envolvendo os programas nuclear e de mísseis balísticos da Coreia do Norte, e reafirmaram seu compromisso com a administração e solução desses temas por meio de uma cooperação trilateral visando à desnuclearização", assinala um comunicado divulgado pela Casa Branca após a reunião.

"Os Estados Unidos reafirmam seu compromisso firme em favor de sua aliança com a República da Coreia e o Japão", enquanto os países asiáticos "assinalam a importância de suas relações bilaterais", após as fortes tensões que as afetaram nos últimos anos.

O premier do Japão, Yoshihide Suga, será recebido no próximo dia 16 na Casa Branca. Ele será o primeiro líder estrangeiro a se reunir pessoalmente com o novo presidente americano, anunciaram hoje os dois governos.

Até o momento, o presidente Joe Biden não compartilhou suas intenções em relação a Pyongyang, limitando-se a mencionar esta revisão em andamento para ajustar uma nova estratégia após a tentativa de diplomacia direta de seu antecessor, Donald Trump, com o líder norte-coreano, Kim Jong Un, que não permitiu avanços na desnuclearização do país.

Na semana passada, porém, ele advertiu que os Estados Unidos responderão no caso de uma "escalada" norte-coreana, após o lançamento de dois mísseis balísticos por Pyongyang.

"Deixamos claro que a desnuclearização permanecerá no centro da política dos Estados Unidos em relação à Coreia do Norte", confirmou Price, acrescentando que essa política deve ser aplicada em "coordenação estreita" com os dois países aliados na região.

Sullivan também planeja discutir com seus colegas do Japão e Coreia do Sul sobre a escassez global de semicondutores, cujas cadeias de suprimentos foram perturbadas pela pandemia de covid-19.

A falta de semicondutores forçou algumas montadoras de veículos a reduzir suas produções e o problema parece estar se espalhando para uma ampla gama de eletrônicos.

"Acho que seria justo dizer que nossos três países detêm muitas das chaves para o futuro da tecnologia de fabricação de semicondutores", declarou um funcionário do governo dos Estados Unidos.

A reunião em Annapolis ocorreu após a visita do secretário de Estado, Antony Blinken, e do secretário de Defesa, Lloyd Austin, a Tóquio e Seul.

fff/dax/rle/lda/ll-gma/mps/mr/lb