EUA dizem que cúpula com líderes do Sudeste Asiático marca "nova era" em relações

Presidente dos EUA, Joe Biden, deixa carro para embarcar no Air Force One em Base Conjunta de Andrews, em Maryland

Por Jeff Mason e David Brunnstrom e Michael Martina

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta sexta-feira que uma primeira cúpula em Washington com líderes da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) marcou o lançamento de uma "nova era" na relação entre os EUA e o bloco de 10 nações.

Falando no segundo e último dia de reunião, Biden disse que "uma grande parte da história do nosso mundo nos próximos 50 anos será escrita nos países da ASEAN, e nosso relacionamento com vocês é o futuro, nos próximos anos e décadas".

A cúpula marca a primeira vez que os líderes da ASEAN se reuniram como grupo em Washington e sua primeira reunião organizada por um presidente dos EUA desde 2016.

O governo Biden espera que o esforço mostre que Washington continua focada no Indo-Pacífico e no desafio de longo prazo em relação à China, considerada seu principal concorrente, apesar da crise na Ucrânia.

"Estamos lançando uma nova era - uma nova era - nas relações EUA-ASEAN", afirmou Biden.

Mais cedo, a vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, disse aos líderes da ASEAN que os Estados Unidos permanecerão na região por gerações e enfatizou a necessidade de manter a liberdade dos mares, que Washington diz ser desafiada pela China.

"Os Estados Unidos e a ASEAN compartilharam uma visão para esta região e juntos nos protegeremos contra ameaças às regras e normas internacionais", disse.

Nem ela nem Biden mencionaram a China, que Washington acusa de usar coerção contra seus vizinhos, pelo nome.

A ASEAN agrupa Brunei, Camboja, Indonésia, Laos, Malásia, Mianmar, Filipinas, Cingapura, Tailândia e Vietnã, embora o líder de Mianmar tenha sido excluído da cúpula por causa de um golpe no ano passado e o aliado de tratado dos EUA, as Filipinas, estejam em transição após uma eleição e representadas por seu ministro das Relações Exteriores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos