EUA dizem não estar claro se Irã está preparado para retomar acordo

·2 minuto de leitura
O secretário de Estado americano, Antony Blinken

O chefe da diplomacia dos EUA, Antony Blinken, disse no domingo que não está claro se o Irã está preparado para tomar as medidas necessárias para permitir que o mesmo volte a cumprir o acordo nuclear internacional.

Antes da quinta rodada de negociações em Viena para tentar resgatar o acordo, Blinken foi questionado sobre informações do lado iraniano indicando que Washington já havia concordado em suspender algumas das sanções contra a economia iraniana.

"Nós sabemos quais sanções devem ser levantadas se forem incompatíveis com o acordo nuclear", disse à ABC, considerando que o mais importante é que o Irã "saiba o que precisa fazer para cumprir novamente as questões nucleares".

"O que não vimos é se o Irã está pronto para tomar uma decisão", completou. “Esse é o teste e ainda não temos uma resposta.”

"A suspensão das sanções do (ex-presidente americano, Donald) Trump (...) é uma obrigação legal e moral. NÃO uma ferramenta para obter uma vantagem nas negociações",reagiu no Twitter o chanceler iraniano, Mohamad Javad Zarif.

O republicano retirou o país do acordo em 2017, dizendo que Teerã havia violado seu "espírito" e permanecia uma ameaça regional.

Seu sucessor, Joe Biden, quer retomar o compromisso. Para que isso aconteça, Washington deve concordar em suspender as sanções restabelecidas por Trump e Teerã deve se comprometer a cumprir os termos do acordo. Assim que Trump abandonou o acordo, a república islâmica começou a suspender as restrições à sua produção de material nuclear.

Os participantes europeus nas negociações de Viena expressaram otimismo após a última rodada de negociações, concluída na quarta-feira. "Fizemos bons progressos", tuitou Enrique Mora, autoridade da União Europeia que presidiu as negociações entre Rússia, China, Alemanha, França, Reino Unido e Irã. "Desenha-se um acordo", acrescentou.

Negociações indiretas entre Washington e Teerã vêm ocorrendo na capital austríaca desde o início de abril, com os outros cinco países signatários do acordo atuando como intermediários. Diplomatas esperam que os Estados Unidos voltem oficialmente para o acordo antes das eleições presidenciais iranianas de 18 de junho.

Enquanto isso, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) anunciou que adiaria para amanhã uma coletiva de imprensa em Viena de seu diretor-geral, Rafael Mariano Grossi, que "continua as consultas com Teerã sobre o entendimento técnico entre o Irã e a agência da ONU".

No fim de fevereiro, Teerã limitou o acesso da AIEA às instalações nucleares que vem monitorando, mas permitiu que algumas inspeções continuassem enquanto as negociações de Viena se desenrolavam.

bbk/jm/mls/gm/gf/lb/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos