EUA e China falam duro, mas dizem querer evitar conflito em 1º dia de cúpula

IGOR GIELOW
·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A primeira reunião de cúpula da diplomacia dos Estados Unidos e da China começou com palavras extremamente duras de lado a lado, confirmado a expectativa de dois dias de difíceis de conversas em Anchorage (Alasca). Sentaram-se à mesa para debater itens da disputa geopolítica central do século 21o secretário de Estado, Antony Blinken, e o assessor de Segurança Nacional, Jake Sullivan, pelo lado americano. No canto chinês do ringue estava o chanceler Wang Yi e o principal diplomata do Politburo do Partido Comunista, Yang Jiechi. Ambos os grupos falaram brevemente no começo do encontro, por volta das 13h30 (18h30 em Brasília). "A ações da China ameaçam a ordem baseada em regras que garantem a estabilidade global", afirmou Blinken, citando a lista mais evidente de queixas americanas. Sullivan, por sua vez, afirmou: "Nós não buscamos conflito, mas aceitamos competição e sempre defenderemos nosso princípios, para nosso povo e para nossos amigos". Os chineses não deixaram para menos. "Anunciar sanções não é a forma de receber convidados", disse Wang acerca da imposição de punições por parte da Casa Branca a 24 autoridades chinesas devido à repressão à oposição democrática em Hong Kong, decretada na véspera. "Os EUA precisam lidar com seus próprios problemas", disse Wang, acusando o país do presidente Joe Biden de interferir em assuntos internos de Pequim devido a uma "mentalidade de Guerra Fria" que precisa ser abandonada. "Nós esperamos não ter conflito, e sim respeito mútuo e uma cooperação ganha-ganha com os EUA", completou. Antes, seu colega Yang havia afirmado que os EUA usam seu poderio militar e econômico para jogar outros países contra a China. A alta temperatura da sessão inicial contrastava com o frio de 10 graus negativos do lado de fora. Blinken e Sullivan elencaram a lista de temas espinhosos que abordariam: Hong Kong, a repressão a muçulmanos na região de Xinjiang, ciberataques e coerção econômica a aliados americanos. Em discursos desde a eleição de Biden, o líder chinês Xi Jinping e seus auxiliares estabeleceram seus limites para negociar. Como disse Wang, "Xinjiang, Hong Kong e Taiwan são parte integral da China" -logo, quaisquer queixas americanas encontrariam ouvidos moucos. Raramente diplomatas chineses falam tão abertamente fora de púlpitos em Pequim. "Se os EUA querem ldiar com a China, que lidem do jeito certo. Não há como estrangular a China", afirmou Wang, emulando retórica recente do líder da China. Xi e Biden se falaram por telefone uma vez, e o fato de o encontro em Anchorage estar acontecendo pode ser visto em si como um avanço, mas não muito mais que isso. A questão dos muçulmanos uigures é clara. Num ato final de sua Guerra Fria 2.0, declarada em 2017, o presidente Donald Trump fez os EUA decretarem a repressão chinesa ao grupo genocídio. Biden não mudou de opinião. Wang até ironizou a questão, dizendo que os EUA estão no seu "ponto mais baixo" em relação aos direitos humanos, e que "jovens negros estão sendo massacrados" nas ruas do país, uma referência caso George Floyd. Na paleta de desavenças, há as disputas territoriais no mar do Sul da China e em Taiwan, a guerra pelo domínio do mercado da tecnologia 5G e uma vasta lista de atritos comerciais. Os EUA buscam apoio dos aliados no Indo-Pacífico, cujos líderes se reuniram virtualmente com Biden na semana passada. Blinken e Sullivan estiveram no Japão e na Coreia do Sul antes de voar para Anchorage. Enquanto os chineses acusam EUA de desestabilizar o mundo em nome de seus valores, Biden tem tentado imprimir um tom mais assertivo em sua política externa. Tem experimentado subir o tom contra o presidente russo, Vladimir Putin, um aliado de Xi que foi chamado de assassino pelo americano. Do ponto de vista puramente militar, os EUA são uma potência superior à China. Além de gastar quase quatro vezes mais com defesa, só de ogivas nucleares prontas para uso tem cinco vezes mais do que todo o estoque chinês de armas atômicas. Economicamente, a questão é mais complexa, e é aí que reside o peso geopolítico do debate. As economias da China e do Ocidente são altamente interligadas, e o aumento da repressão em Hong Kong a partir dos protestos de 2019 não mudou muito o cenário. Ao contrário, a China lidera o ranking de destino de investimento direto estrangeiro, com US$ 163 bilhões (pouco mais de R$ 900 bilhões) recebidos em 2020. Há cerca de US$ 900 bilhões (R$ 5 trilhões) investidos em empresas chinesas que abriram seu capital. E a maioria dessas firmas está listada na Bolsa de Hong Kong, entreposto comercial por onde entram e saem cerca de 65% do capital externo de e para a China. Lidar com isso e com a assertividade chinesa sob os poderes imperiais de Xi, consolidados desde que assumiu o poder em 2012, parece ser a acomodação central a ser buscada a partir da troca de farpas no Alasca.