EUA entram em alerta para mais ataques do Estado Islâmico no Afeganistão

·2 minuto de leitura
Feridos ao lado de cadáveres após ataque do lado de fora do aeroporto de Cabul, no Afeganistão

(Reuters) - Forças dos Estados Unidos que ajudam a retirar afegãos desesperados para fugir do domínio do Taliban estavam em alerta para mais ataques nesta sexta-feira depois que ao menos um homem-bomba do Estado Islâmico matou 85 pessoas, incluindo no mínimo 13 soldados norte-americanos, diante dos portões do aeroporto de Cabul.

Duas explosões e disparos sacudiram a área diante do aeroporto na noite de quinta-feira, disseram testemunhas. Vídeos filmados por jornalistas afegãos mostraram dezenas de corpos espalhados ao redor de um canal à beira do aeroporto.

Uma autoridade de saúde e um oficial do Taliban disseram que o número de afegãos mortos subiu para 72, incluindo 28 membros do Taliban, mas um porta-voz do grupo negou mais tarde que qualquer um de seus combatentes vigiando o perímetro do aeroporto tenha sido morto.

Os militares dos EUA disseram que 13 de seus efetivos foram mortos e que 18 ficaram feridos no que descreveram como um ataque complexo.

O Estado Islâmico, um inimigo do Taliban e também do Ocidente, disse que um de seus homens-bomba visou "tradutores e colaboradores do Exército americano".

Não ficou claro se homens-bomba foram responsáveis pelas duas detonações ou se uma bomba foi plantada. Tampouco se sabe se atiradores do Estado Islâmico se envolveram no ataque ou se os disparos que se seguiram às explosões foram de seguranças do Taliban atirando para o alto para controlar a multidão.

Autoridades dos EUA prometeram retaliar.

O general Frank McKenzie, chefe do Comando Central dos EUA, disse que comandantes de seu país estão atentos para mais ataques do Estado Islâmico, o que inclui a possibilidade de foguetes ou carros-bomba visando o aeroporto.

"Estamos fazendo tudo que podemos para estar preparados", disse ele, acrescentando que alguma inteligência está sendo compartilhada com o Taliban e que acredita que "alguns ataques foram impedidos por eles".

As forças norte-americanas estão correndo para finalizar sua retirada do Afeganistão até o prazo de 31 de agosto estabelecido pelo presidente Joe Biden. Ele diz que os EUA atingiram há tempos seu objetivo original ao invadir o país em 2001: extirpar militantes da Al Qaeda e evitar uma repetição dos ataques de 11 de Setembro daquele ano nos EUA.

Biden disse que ordenou ao Pentágono que planeje como atacar o Estado Islâmico Khorasan, filiada do Estado Islâmico que assumiu a responsabilidade pelos atentados de quinta-feira.

"Não perdoaremos. Não esqueceremos. Caçaremos vocês e os faremos pagar", disse Biden durante comentários televisionados da Casa Branca.

(Das redações da Reuters)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos