EUA estão determinados a agir contra autores de atentado em Cabul, diz chefe militar

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após as explosões que deixaram ao menos 72 mortos, incluídos 12 militares americanos, os EUA se disseram determinados a repreender os autores dos ataques desta quinta-feira (26), reivindicados pelo Estado Islâmico.

"Estamos trabalhando muito duro agora para determinar a autoria, quem está associado a esse ataque covarde e estamos preparados para agir contra eles. 24/7 [24 horas por dia, 7 dias por semana] estamos buscando por deles", afirmou o chefe do Comando Militar americano, general Kenneth McKenzie, durante entrevista coletiva.

McKenzie confirmou que os ataques mataram 12 militares americanos e deixaram outros 15 feridos. O número de afegãos mortos no atentado desta quinta, por sua vez, já chega a 60, de acordo com o jornal The Wall Street Journal, levando o total de vítimas para ao menos 72.

Essa foi a primeira morte de oficiais dos EUA no Afeganistão desde fevereiro de 2020, quando dois militares foram mortos e seis ficaram feridos após um homem com uniforme do Exército do Afeganistão abrir fogo com uma metralhadora. Segundo o observatório Custos da Guerra da Universidade Brown (EUA), cerca de 2.300 soldados americanos morreram no Afeganistão até 2019.

Apesar de ressaltar a determinação americana em agir contra os autores, o chefe do Comando Militar disse que o foco agora é garantir que não haja outros atentados. "Temos outras ameaças ativas", explicou. "O padrão é de ataques múltiplos e queremos estar preparados e prontos para nos defender."

Cerca de 5.200 militares têm feito a segurança do aeroporto, segundo os EUA, enquanto as forças americanas realizam a operação de retirada, cujo prazo final para ser concluída é o próximo dia 31 de agosto, e coordenam no terminal de passageiros o resgate de diplomatas, cidadãos ocidentais e afegãos que auxiliaram a ocupação.

As duas explosões desta quinta atingiram os arredores do terminal, onde afegãos e ocidentais se concentram para tentar uma vaga na evacuação do país, desde o último dia 15 controlado pelo grupo fundamentalista Talibã após uma rápida ofensiva.

Uma delas ocorreu na principal entrada do terminal aéreo, o Abbey Gate, e outra próxima ao hotel Baron, nas imediações do aeroporto, acordo com o Pentágono. A embaixada dos EUA em Cabul relatou ainda disparos com armas de fogo.

Ao menos 60 feridos foram atendidos em um hospital de Cabul, e o Wall Street Journal fala em 150 no total. Civis afegãos, soldados talibãs e militares americanos estão entre os atingidos.

Os ataques ocorrem após a Casa Branca e seus aliados alertarem sobre riscos iminentes de atos terroristas da filial afegã do Estado Islâmico, adversária do Talibã, o que impactou o processo de retirada do país --o grupo agora no poder negou a autoria e afirmou que quem cuida da segurança da região são os americanos.

Na tarde desta quinta, um dos porta-vozes do Talibã publicou comunicado no Twitter em que diz que "condena veementemente" o atentado, "ocorrido em uma área onde as forças dos EUA são responsáveis pela segurança". O grupo disse ainda que "presta muita atenção à segurança e proteção de seu povo".

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenou o que chamou de "ataque terrorista, que matou e feriu civis".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos