EUA fazem 'terrorismo médico' e impedem resposta eficaz à pandemia, diz chanceler do Irã

RENATO MACHADO

TEERÃ, IRÃ (FOLHAPRESS) - O surto de coronavírus chegou ao Irã quando o país ainda lutava para superar as crises do início deste ano.

Começou com o assassinato do general Qassim Suleimani, momento em que o país se viu perto de uma guerra com os Estados Unidos. Depois, os iranianos precisaram reconhecer que abateram por engano um avião com 176 pessoas.

Passado pouco mais de um mês, foram registradas as primeiras mortes em decorrência do coronavírus e, desde então, os números crescem exponencialmente. São 1.433 mortos, o que coloca a república islâmica atrás apenas de Itália e China.

A batalha contra o vírus se dá em meio a um isolamento internacional e dificuldades econômicas decorrentes das sanções impostas pelos americanos. "É um terrorismo econômico e médico contra o Irã", diz o chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, à reportagem.

Em relação aos problemas com os Estados Unidos, ele afirma que a prometida vingança do governo iraniano foi concluída. Acrescenta, no entanto, que não responde pelos grupos xiitas que seguem atacando alvos americanos.

PERGUNTA - O Irã tem o terceiro maior número de mortes em decorrência do coronavírus e enfrenta dificuldades adicionais para enfrentar o problema. Como as sanções e o isolamento afetam essa situação?

MOHAMMAD JAVAD ZARIF - As sanções esgotaram nossos recursos econômicos, não apenas as reservas provenientes do petróleo mas também do setor privado. A política [americana] de pressão máxima contra nós impede nossas exportações, então temos menos recursos para investir.

Somos um país rico, mas por causa das sanções não conseguimos os recursos necessários para atender a população atingida. As sanções nos impedem de comprar medicamentos e equipamentos mesmo quando podemos pagar. As restrições bancárias e financeiras impostas não identificam se você está comprando itens humanitários ou não. Quando um banco julga ser arriscado fazer negócios com o Irã, ele simplesmente fecha a porta.

Além disso, empresas europeias de itens médicos, por conta das ameaças que recebem dos Estados Unidos, decidem não fazer negócios conosco e não nos vendem itens médicos. Então, há diversas formas pelas quais os Estados Unidos estão praticando terrorismo econômico e médico contra o Irã. Analisando sob uma perspectiva jurídica, são crimes contra a humanidade.

P - Por outro lado, o Irã recusou oferta de ajuda dos Estados Unidos.

MZ - Essa oferta foi hipócrita. Há alguns dias, o secretário [de Estado Mike] Pompeo solicitou a outros países que impusessem condições para ajudar o Irã no combate ao coronavírus. Tudo o que os Estados Unidos precisam fazer é parar de interferir.

Nós cuidaremos de nós próprios e temos amigos suficientes no mundo que irão nos ajudar. Parem com o terrorismo econômico. Se não estão prontos para fazer isso, então pedimos ao mundo que pare de apenas observar esse bullying. Isso é desumano. Iranianos estão morrendo, e as pessoas estão aceitando o bullying americano apenas na esperança de que não serão atingidos. Não vai funcionar.

P - A mais recente crise com os americanos, que quase culminou em guerra, está resolvida?

MZ - Os Estados Unidos promovem ações que têm consequências, principalmente para as pessoas afetadas. No assassinato do general Suleimani, um número considerável de iraquianos também morreu, como um comandante que também era ministro-adjunto da Defesa do país.

Eles cometem agressões e esperam que o Irã impeça os outros de responderem. Não conseguimos controlar cidadãos de outros países que querem se defender. Se os americanos continuarem com essas agressões contra o povo iraquiano, deveria esperar respostas.

Não podem se esconder atrás da desculpa de que a culpa é do Irã, de que são grupos apoiados pelo Irã. Eles usam o termo "proxy" [procuração, em português], que é irresponsável e um insulto para o povo iraquiano. Eles não são "proxies".

P - Qual é a relação desses grupos xiitas com o Irã?

MZ - Não temos relações apenas com grupos xiitas. Temos relação com sunitas, cristãos. Temos uma política de apoiar aqueles que estão sob pressão. Os EUA deveriam entender isso porque alegam apoiar a democracia, apoiar aqueles que estão sendo reprimidos.

Os Estados Unidos não enxergam isso conosco porque, quando eles apoiam combatentes da liberdade, eles sim apoiam "proxies". Mas quando nós falamos que apoiamos aqueles povos que estão sendo oprimidos, nós realmente os apoiamos. Não precisamos que sejam nossos "proxies".

P - O Irã não tem influência sobre eles?

MZ - Nós temos influência, mas não os controlamos. São duas coisas bem diferentes. Influenciar é ter capacidade de conversar com alguém, de argumentar, de tentar convencer. Controlar significa poder dar ordens. Nós não podemos dar ordens para essas pessoas nem queremos isso. Dessa forma, estaríamos destruindo a independência deles, sua dignidade. Sem dignidade, sem integridade, esses nossos apoiadores não teriam valor nenhum para nós. Os americanos não entendem isso.

P - Logo após o assassinato do general Suleimani, a palavra vingança ganhou muito destaque no Irã. Ela terminou?

MZ - A resposta do governo do Irã, em um ato de defesa contra a base que executou o ataque contra o general Suleimani, dentro dos termos do artigo 51 da Carta das Nações Unidas, foi executada e está concluída. Vingança, para o povo iraquiano, é uma outra coisa. Aqueles que ficaram revoltados com o ato americano podem decidir eles próprios levar adiante ações. Isso não é algo que podemos controlar ou influenciar.

P- Em termos práticos, o acordo nuclear morreu?

MZ - Não, acredito que está bem vivo. Acredito que o direito internacional não morre porque um criminoso o viola, da mesma forma que leis contra assassinato não morrem quando um desses crimes é cometido. Agora é fato que os efeitos do JCPOA (sigla para Plano de Ação Conjunto Global, em inglês) para as relações internacionais e para a nossa economia são bem inferiores ao que poderíamos ter atingido. Mas não significa que o acordo nuclear está morto. Significa que os Estados Unidos são um regime que viola resolução do Conselho de Segurança da ONU.

P - Após a morte de Suleimani, as relações entre Irã e Brasil ficaram estremecidas pelo apoio de Jair Bolsonaro a Donald Trump. Como estão agora?

MZ - Nós temos mais de cem anos de relações com o Brasil. Sempre tivemos boas relações, e nossas políticas são parecidas e complementares, assim como nossas economias. Somos um dos maiores consumidores de produtos brasileiros na nossa região, e o Brasil foi no passado um dos maiores consumidores dos nossos petroquímicos e outros produtos.

Claro que há posições que o governo brasileiro tem adotado que não somos favoráveis, e nós informamos nosso ponto de vista. Não podemos aceitar o consentimento a uma agressão promovida contra um homem em missão de paz, em um país estrangeiro. Eu acredito que, em todos os aspectos do direito internacional, essa ação tem que ser condenada.

O Brasil é reconhecido por sua visão de apoio ao direito internacional, à integridade territorial, respeito à soberania. Tem uma posição marcante sobre a proibição do uso da força nas relações internacionais. Então esperamos que o Brasil permaneça comprometido com esses princípios, porque são importantes para todos nós.