EUA indicia 2 homens que tentaram impedir confisco de iate de oligarca russo

Os Estados Unidos anunciaram, nesta sexta-feira (20), que apresentaram acusações penais contra dois homens que, segundo o Departamento de Justiça, tentaram impedir a apreensão do iate de 90 milhões de dólares do sancionado oligarca russo Viktor Vekselberg, que é próximo do presidente russo Vladimir Putin.

O Departamento de Justiça americano acusou Vladislav Osipov, de 51 anos e com dupla nacionalidade (russa e suíça), e o cidadão britânico Richard Masters, de 52, dos crimes de evasão de sanções e lavagem de dinheiro, que estariam relacionados com a operação da embarcação de luxo "Tango" depois das sanções impostas a Vekselberg.

Masters foi preso na Espanha nesta sexta com base em um pedido de extradição dos Estados Unidos, enquanto Osipov está foragido, informou o Departamento de Justiça.

As autoridades americanas assinalaram que, depois que Vekselberg - chefe do conglomerado Renova Group -, foi sancionado em 2018, Osipov e Masters usaram empresas de fachada para ocultar a propriedade e o uso contínuo do iate.

Masters, que dirigia uma empresa de gestão de iates em Palma de Mallorca, Espanha, mudou o nome da embarcação para "Fanta" para ajudar a evitar as restrições impostas pelas sanções e mantê-la em funcionamento.

As sanções americanas implicam o bloqueio de qualquer ativo que os sancionados tenham sob jurisdição dos Estados Unidos e proíbe pessoas e entidades americanas de fazer negócios com eles.

"Osipov e Masters assessoraram e permitiram que os funcionários do 'Tango' continuassem fazendo negócios com numerosas empresas americanas, utilizando vários esquemas para evitar sanções, como pagamentos em outras moedas e através de terceiros", disse o Departamento de Justiça.

O "Tango", um iate com 78 metros de comprimento, foi apreendido em abril de 2022 na Espanha.

Em março, após a invasão da Ucrânia pela Rússia, os Estados Unidos anunciaram a criação de uma célula dedicada a processar "oligarcas russos corruptos" e todos aqueles que violem as sanções adotadas por Washington contra Moscou.

pmh/md/ad/yow/rpr