EUA intensificam prisões de imigrantes principalmente na fronteira mexicana

Por Mica Rosenberg

NOVA YORK (Reuters) - As prisões de imigrantes nos Estados Unidos quase dobraram em 2022 em comparação com 2021, já que as autoridades de fronteira prenderam mais pessoas e os tribunais bloquearam iniciativas do presidente Joe Biden de direcionar as detenções de forma mais restrita para se concentrar em criminosos graves.

O Departamento de Imigração e Alfândega dos EUA (ICE) prendeu quase 143.000 imigrantes no ano fiscal de 2022, que terminou em 30 de setembro, quase o dobro do número em 2021, segundo dados divulgados nesta sexta-feira.

Cerca de dois terços dessas prisões foram de pessoas com apenas violações de imigração, mostraram os dados. A maioria eram imigrantes detidos na fronteira dos EUA com o México sem condenações criminais ou acusações pendentes e que foram transferidos para o ICE, disseram autoridades.

Ao mesmo tempo, o ICE deportou cerca de 72.000 imigrantes para mais de 150 países ao redor do mundo e ajudou os agentes da Patrulha de Fronteira a expulsar muitos outros dos EUA sob restrições da era pandêmica conhecidas como 'Title 42'.

A deportação, sob um estatuto conhecido como 'Title 8', é um processo mais formal e demorado que pode levar a longas barreiras na reentrada nos EUA em comparação com as expulsões que podem levar apenas algumas horas sob o 'Title 42', uma política que está em vigor desde o início da pandemia de Covid, em março de 2020.

Os agentes da Patrulha de Fronteira dos EUA prenderam um recorde de 2,2 milhões de imigrantes na fronteira sudoeste no ano fiscal de 2022. Quase metade dos presos foram rapidamente expulsos sob a política 'Title 42'.

Aqueles que não são expulsos são liberados no país para prosseguir com as reivindicações de imigração ou detidos pelo ICE.

Depois que Biden, um democrata, passou a ocupar a Presidência do país em janeiro de 2021, seu governo emitiu diretrizes do ICE para priorizar a prisão de infratores mais graves e diminuir a ênfase na aplicação de medidas contra não criminosos, em contraste com a postura linha-dura da imigração do ex-presidente Donald Trump, um republicano.

Mas os Estados republicanos desafiaram essas diretrizes e as decisões judiciais em favor do Texas e da Louisiana as interromperam. Em novembro, a Suprema Corte dos EUA ouviu argumentos sobre o caso e uma decisão é esperada para o final de junho.

(Por Mica Rosenberg em Nova York, com reportagem adicional de Ted Hesson em Washington)