EUA irão colaborar com Colômbia 'independentemente dos resultados' eleitorais, diz Blinken

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Os Estados Unidos irão colaborar com o próximo governo da Colômbia "independentemente dos resultados" das eleições presidenciais, cujo segundo turno será realizado neste fim de semana, disse nesta quarta-feira (15) o secretário de Estado americano, Antony Blinken.

"Independentemente dos resultados, os Estados Unidos esperam trabalhar com o próximo governo para seguir com o progresso em andamento e o relacionamento que gerações de nossos funcionários e cidadãos construíram juntos", afirmou Blinken em um evento em Washington pelos 200 anos de suas relações bilaterais.

"No mês passado vimos a força da democracia em ação", comentou Blinken, que destacou a alta participação no primeiro turno, em 29 de maio.

Os colombianos elegerão no domingo o sucessor do presidente Iván Duque, em uma votação entre o ex-guerrilheiro e senador Gustavo Petro e o excêntrico milionário Rodolfo Hernández.

No evento, no Museu Nacional de Diplomacia Americana, que contou com a presença de Duque, foi apresentado o livro "História de uma relação especial: Colômbia-Estados Unidos 200 anos".

"Garantimos com a força pública que no próximo domingo todos os colombianos vão votar livremente e, claro, também vamos respeitar o resultado dos colombianos nas urnas", disse à imprensa o presidente, que negou ter se reunido com o candidato Hernández. "Não faço as coisas por trás", declarou.

O chefe da diplomacia americana agradeceu a Duque por "sua liderança" durante a Cúpula das Américas na semana passada, cercada pela polêmica sobre a recusa de Washington em convidar Cuba, Venezuela e Nicarágua, que considera ditaduras. Bogotá apoiou essa posição, criticada por países como México e Argentina.

Blinken elogiou o compromisso da Colômbia com a paz e o progresso, quando há apenas algumas décadas seu futuro "estava em risco" por cartéis de drogas e grupos insurgentes. Com os anos, "a Colômbia se tornou um exportador de segurança em nosso hemisfério", afirmou.

Por sua vez, Duque agradeceu ao governo do presidente americano Joe Biden por ter elevado as relações bilaterais ao declarar a Colômbia um aliado estratégico não membro da Otan.

A relação entre a Colômbia e os Estados Unidos é "um exemplo do que podem fazer as políticas bipartidárias e bicamerais", disse ele.

erl/rsr/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos