EUA lança bombardeios contra 'milícias apoiadas pelo Irã' na fronteira Iraque-Síria

·3 minuto de leitura
O Pentágono informou ter conduzido ataques aéreos que tiveram como alvos 'duas localizações na Síria e uma no Iraque'

O Pentágono anunciou neste domingo (27) que realizou ataques aéreos seletivos contra "instalações utilizadas por grupos de milicianos apoiados pelo Irã" na fronteira entre a Síria e o Iraque, que deixaram cinco mortos, segundo uma organização humanitária.

"Seguindo as instruções do presidente (Joe) Biden, as forças militares americanas executaram esta noite ataques aéreos defensivos de precisão contra instalações utilizadas por grupos de milicianos apoiados pelo Irã na região fronteiriça entre o Iraque e a Síria", disse o secretário de imprensa do Pentágono, John Kirby.

Kirby acrescentou que os alvos - dois na Síria e um no Iraque - foram selecionados porque "estas instalações são utilizadas por milícias apoiadas pelo Irã que participam de ataques com veículos aéreos não tripulado contra o pessoal e as instalações americanos no Iraque".

O Pentágono não revelou um balanço de vítimas, mas o Observatório Sírio de Direitos Humanos, uma ONG com sede no Reino Unido, "pelo menos cinco milicianos apoiados pelo Irã morreram e vários outros ficaram feridos no ataque aéreo americano".

A agência estatal síria de notícias SANA informou que uma criança morreu e pelo menos três pessoas ficaral feridas.

Kataeb Hezbollah e Kataeb Sayyid al Shuhada, duas facções militares iraquianas de linha dura com vínculos estreitos com Teerã, estavam entre os "vários grupos de milicianos respaldados pelo Irã que utilizaram as instalações atacadas", disse Kirby.

Quatro combatentes do grupo Hashed Al Shaabi no Iraque morreram nos ataques dos Estados Unidos, segundo uma das facções que integra o movimento.

O grupo prometeu vingar os "mártires".

Desde o começo do ano, foram registrados mais de 40 ataques contra interesses americanos no Iraque, onde 2.500 militares americanos estão mobilizados como parte de uma coalizão internacional para combater o grupo jihadista Estado Islâmico.

A grande maioria foram bombas contra comboios logísticos, enquanto 14 foram ataques com foguetes, alguns dos quais foram reivindicados por facções pró-iranianas que visam a pressionar Washington a retirar suas tropas.

"Em vista da série de ataques contínuos de grupos apoiados pelo Irã que têm como alvo interesses dos Estados Unidos no Iraque, o presidente instruiu ações militares para interromper e desencorajar estes ataques", disse Kirby.

"Concretamente, os ataques americanos visaram instalações operacionais e de armazenamento de armas em duas localizações na Síria e uma no Iraque, próximas à fronteira entre os dois países", acrescentou.

- Diplomacia -

Na frente diplomática, os ataques americanos ocorreram dois dias depois que Estados Unidos e França advertiram o Irã que o tempo estava acabando para o retorno a um acordo nuclear, expressando o temor de que as atividades atômicas de Teerã possam avançar em caso de prorrogação das negociações.

A volta ao acordo com o Irã foi uma promessa de Biden depois que o texto uclear foi abanadonado por seu antecessor, Donald Trump. "Temos um interesse nacional em tentar voltar a colocar o problema nuclear na caixa em que estava" no acordo, disse o chefe da diplomacia americana, Antony Blinken.

A agência nuclear da ONU afirmou na sexta-feira que não recebeu resposta de Teerã sobre a possível extensão de um acordo temporário que cobre as inspeções nas instalações nucleares iranianas e que expirou na quinta-feira.

Os ataques ocorrem um dia depois de autoridades curdo-iraquianas terem dito que três drones carregados com explosivos atingiram a cidade de Arbil, no norte do Iraque, onde os Estados Unidos têm um consulado.

Também ocorrem enquanto a Hashed al-Shaabi, uma aliança paramilitar pró-iraniana contrária à presença dos Estados Unidos no Iraque, conduziu uma parada militar perto de Bagdá, da qual participaram altos funcionários.

Em abril, um drone carregado com explosivos atacou o quartel-general da coalizão no Iraque na parte militar do aeroporto de Arbil, capital do Curdistão iraquiano.

Este tipo de ataque representa uma dor de cabeça para a coalizão, pois os drones conseguem escapar das defesas aéreas.

"Como demonstrado pelos ataques desta noite, o presidente Biden tem deixado claro que agirá para proteger o pessoal dos Estados Unidos", disse Kirby.

bfm/roc/elm/gma/dg/mvv/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos