EUA: Mísseis lançados por Pyongyang ameaçam estabilidade na região

A Coreia do Norte disparou mais um míssil balístico intercontinental que aterrou no mar, quase em águas japonesas. Tratou-se do segundo grande teste este mês e, apesar de não haver relato de estragos, o Primeiro-ministro japonês considerava o lançamento "absolutamente inaceitável". O governo japonês acusa Pyongyang de ser responsável pelo aumento, significativo, das tensões na península coreana.

"Este ano, a Coreia do Norte tem disparado mísseis (...) com uma frequência sem precedentes e está a aumentar, significativamente, as tensões na península coreana".

Para os EUA o novo teste põe em causa a estabilidade da região. À margem da cimeira de Cooperação Económica Ásia-Pacífico a vice-presidente, Kamala Harris, condenava esta ação, em nome do seu país, e apelava a Pyongyang que terminasse com estes atos ilegais. O país prometia tomar "todas as medidas necessárias" para garantir a segurança do continente americano e dos aliados Coreia do Sul e Japão.

Este lançamento norte-coreano acontece depois da China e Rússia se oporem às movimentações dos EUA para endurecer as sanções destinadas a refrear o programa nuclear da Coreia do Norte.