EUA 'não se afastarão' do Oriente Médio, garante Biden em viagem à região

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse aos líderes árabes neste sábado que Washington permanecerá totalmente comprometido com o Oriente Médio e não cederá sua influência para outras potências mundiais.

Guga Chacra: Covarde e hipócrita, Biden se curva a esquartejador

Viagem ao Oriente Médio: Na Arábia Saudita, Biden diz ter pressionado Bin Salman sobre assassinato de jornalista

— Não vamos nos afastar, nem deixaremos um vácuo para que seja preenchido por China, Rússia, ou Irã — afirmou Biden, durante uma cúpula em Jedá, na costa do Mar Vermelho, na Arábia Saudita.

Última parada da viagem de Biden ao Oriente Médio, a cúpula reúne os seis membros do Conselho de Cooperação do Golfo, assim como Egito, Jordânia e Iraque.

Biden pretendia aproveitá-la para falar da volatilidade dos preços do petróleo e expor sua visão sobre o papel de Washington na região.

Na sexta-feira, ele se reuniu com o rei Salman, da Arábia Saudita, e com o governante saudita "de fato", o príncipe herdeiro Mohammed Bin Salman. As agências de Inteligência americanas afirmam que ele "aprovou" a operação de 2018 que matou o jornalista Jamal Khashoggi.

O príncipe herdeiro sempre negou qualquer envolvimento na morte de Khashoggi, assassinado no consulado do reino em Istambul. Seus restos mortais nunca foram encontrados.

Em suas declarações neste sábado, Biden disse aos líderes árabes ali reunidos que "o futuro será conquistado por países que liberarem todo potencial de suas populações (...), onde os cidadãos possam questionar e criticar os líderes sem medo de represálias".

Na Cisjordânia: Biden diz que 'as bases não estão maduras' para conversas entre israelenses e palestinos

A invasão russa da Ucrânia revelou uma divergência anteriormente impensável entre Washington e seus principais aliados do Oriente Médio — Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos —, gigantes do petróleo cada vez mais independentes no cenário internacional.

Convite

Também neste sábado, Biden convidou seu colega dos Emirados Árabes Unidos, Mohamed Bin Zayed Al-Nahyan, para visitar os EUA, em um gesto de reaproximação após meses de tensões pela guerra na Ucrânia e outras questões.

— Ambos entendemos que os desafios que enfrentamos hoje apenas tornam muito mais importante que passemos mais tempo juntos. Quero convidá-lo formalmente para os Estados Unidos, ao Salão Oval, antes do final do ano — disse Biden em uma reunião bilateral em Jedá, na Arábia Saudita.

Há anos governante "de fato" dos Emirados Árabes Unidos, Mohamed assumiu o cargo, formalmente, em maio, após a morte de seu meio-irmão, Khalifa.

Revolução verde: Vendido como um marco, plano socioambiental de Biden encolhe e perde ambição

Este rico estado do Golfo abriga tropas americanas e é um parceiro estratégico de Washington há décadas, mas seus laços econômicos e políticos com a Rússia são cada vez maiores.

O embaixador dos Emirados nos Estados Unidos, Yousef al-Otaiba, admitiu em março que as relações com Washington estavam passando por um "teste de estresse".

Esta declaração foi dada depois que os Emirados se abstiveram em uma votação do Conselho de Segurança da ONU sobre uma resolução pela retirada russa da Ucrânia.

Conselheiro político de Mohamed Bin Zayed Al-Nahyan, Anwar Gargash disse a jornalistas na sexta-feira que os laços entre os Estados Unidos e os Emirados Árabes Unidos têm "questões a serem resolvidas".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos