EUA ordena que pessoal não essencial de sua embaixada deixe Cabul por ameaças

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Militares norte-americanos colocam uma corrente na entrada da embaixada dos EUA em Cabul logo após a queda do Talibã em dezembro de 2001

Os Estados Unidos ordenaram nesta terça-feira (27) a saída dos profissionais não essenciais de sua embaixada em Cabul, no Afeganistão, sob a alegação de crescentes ameaças enquanto os militares americanos se preparam para deixar o país após 20 anos de guerra.

O Departamento de Estado afirmou que "ordenou a saída da embaixada dos Estados Unidos em Cabul de funcionários do governo americano que possam cumprir suas funções em outro lugar".

Ross Wilson, embaixador interino de Washington em Cabul, disse que o Departamento de Estado tomou a decisão "à luz do aumento da violência e dos relatos de ameaças" na capital afegã. Segundo ele, a ordem afetou um "número relativamente pequeno" de funcionários e a embaixada seguirá em operação.

"O pessoal necessário com urgência para tratar de questões relacionadas à redução das forças americanas e ao trabalho vital que estamos fazendo em apoio ao povo afegão poderá permanecer no local", escreveu ele no Twitter.

O presidente dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden, anunciou no início do mês a retirada de todas as tropas do Afeganistão antes de 11 de setembro, no 20º aniversário dos ataques que levaram os EUA a invadir e derrubar o regime do Talibã que havia acolhido a rede armada Al Qaeda.

Biden apontou que as forças americanas haviam alcançado seus objetivos e que pouco mais poderia ser feito, mas algumas autoridades não esconderam seu medo de que a violência aumente quando os talibãs perceberem que obtiveram a vitória.

Sob um acordo alcançado pelo governo do ex-presidente republicano Donald Trump, o Talibã concordou em não atacar as tropas dos EUA durante a retirada, mas intensificou os ataques contra as forças do governo afegão.

O aviso do Departamento de Estado, que também renovou as advertências contra as visitas de americanos, frisou que "grupos terroristas e insurgentes continuam planejando e realizando ataques no Afeganistão".

O governo Biden manterá forças limitadas em Cabul para policiar a vasta área de sua embaixada.

sct/ft/lda/gma/yow/ic/mvv