EUA pedem 'calma' na contagem de votos após as eleições no Equador

·1 minuto de leitura
Contagem de votos em Cuenca, Equador, após as eleições de 7 de fevereiro de 2021

Os Estados Unidos parabenizaram o Equador nesta segunda-feira (8) pelo desenvolvimento das eleições gerais e pediram "calma" enquanto termina o escrutínio para decidir o segundo finalista que disputará a presidência.

O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, cumprimentou o povo equatoriano e as autoridades e voluntários que participaram das eleições no domingo em meio às "condições desafiadoras" devido à pandemia dp covid-19 e pediu tranquilidade para processar os resultados.

“Pedimos que mantenham a calma e sejam pacientes enquanto as instituições equatorianas terminam a contagem dos votos e trabalham para resolver os conflitos de forma pacífica e transparente, de acordo com a Constituição do Equador e as normas e processos estabelecidos”, disse Price aos jornalistas.

A missão de observação da Organização dos Estados Americanos (OEA) também fez um apelo para que se espere "com calma os resultados finais" no Equador.

O líder indígena de esquerda Yaku Pérez denunciou nesta segunda-feira uma tentativa de fraude para retirá-lo da votação que será realizada no dia 11 de abril, já que nenhum dos candidatos venceu no primeiro turno.

O economista Andrés Arauz, 36 anos, candidato do ex-presidente socialista Rafael Correa (2007-2017), lidera a disputa com 32,14% dos votos, segundo o Conselho Nacional Eleitoral (CNE).

Mas com 98% dos registros processados, Pérez, um advogado ambiental de 51 anos, surpreendeu com 19,86% dos votos, enquanto o ex-banqueiro de direita Guillermo Lasso, 65, registrou 19,60%.

Se a tendência de escrutínio parcial continuar, Arauz e Pérez estrearão uma votação sem precedentes entre os candidatos de esquerda no Equador, onde o presidente Lenín Moreno, que não concorreu à reeleição, deixará o poder em 24 de maio.

ad/yow/ap