EUA pedem governo civil no Sudão após renúncia de Hamdok

·1 min de leitura
Ex-primeiro-ministro do Sudão Abdalla Hamdok

Por Nafisa Eltahir

CARTUM (Reuters) - Os Estados Unidos fizeram um apelo aos líderes sudaneses pela garantia de um governo civil e pelo fim da violência contra manifestantes após a renúncia de Abdalla Hamdok como primeiro-ministro, o que mergulhou a transição para as eleições ainda mais fundo em incertezas.

"Após a renúncia do primeiro-ministro Hamdok, os líderes sudaneses deveriam deixar de lado as diferenças, encontrar um consenso e garantir a continuidade de um governo civil", disse o Gabinete de Assuntos Africanos do Departamento de Estado dos EUA em uma publicação no Twitter.

Hamdok, um economista e ex-oficial da Organização das Nações Unidas amplamente respeitado pela comunidade internacional, foi primeiro-ministro em um acordo de compartilhamento de poder entre militares e civis que seguiu a derrubada do ex-líder Omar al-Bashir em 2019.

Os militares dissolveram seu governo em um golpe em outubro, mas ele retornou um mês depois com um acordo que o encarregava de formar um novo governo de tecnocratas antes das eleições de 2023.

Hamdok anunciou no domingo que estava renunciando após não conseguir formar um consenso para avançar com o processo de transição. Ele pediu diálogo para chegar a um novo acordo para a transição.

As reações nas redes sociais no Sudão estavam divididas, com alguns entristecidos pela perda de um líder que se destacava por sua sabedoria. Outros, ainda enfurecidos com o retorno de Hamdok após o golpe, expressavam sua determinação pelo encerramento do governo militar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos