EUA pedem que Brasil treine suas tropas para integrar missões da ONU

IGOR GIELOW

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma comitiva dos EUA esteve nesta quinta (10) em Brasília para uma reunião de alto nível no Ministério da Defesa que resultou em um pedido curioso: os americanos querem que militares brasileiros treinem seus soldados para agir em missões de paz da ONU.

Tecnicamente, não é inusitado. O Brasil liderou durante 13 anos a missão das Nações Unidas no Haiti, período no qual cerca de 37 mil militares passaram pela ilha caribenha. O país só não enviou contingente para assumir a complicada empreitada da ONU na República Centro-Africana por falta de verbas.

Experiência não falta. Neste ano, 15 soldados treinados para combate na Amazônia foram enviados para treinar tropas da ONU no Congo, por exemplo. O treinamento poderia ocorrer no Brasil ou nos EUA.

Mas causa estranhamento o pedido americano. A administração Donald Trump se notabilizou até aqui por duas coisas na área militar: o desejo de desengajar-se daquilo que o presidente chama de guerras inúteis, como argumentou ao retirar o apoio aos curdos na Síria nesta semana, e a escassa consideração a organismos multilaterais como a ONU.

Missões de paz são altamente complexas, porque envolvem níveis de governança civil e militar de diversos países, sempre sob a égide das Nações Unidas. Tradicionalmente, americanos são comandantes nos campos de batalha onde servem -o que é óbvio, dado que são a maior potência bélica do planeta.

Quando houve o terremoto que destroçou o Haiti em 2010, houve uma tensa experiência com a presença maciça de soldados americanos para o socorro humanitário, mas que acabou contornada pelo comando brasileiro da operação.

Seja como for, a tratativa ainda está no nível de começo de conversa, assim como as demandas apresentadas pelo lado do Ministério da Defesa.

No fim de julho, os EUA concederam ao país o status de aliado prioritário fora do escopo da Otan (aliança militar ocidental, liderada por Washington). Agora, os militares brasileiros querem saber como podem fazer melhores negócios com os americanos.

Dois itens foram colocados na mesa. Primeiro, estudo para a retirada de algumas barreiras a exportações de material militar brasileiro. Segundo, estabelecer o caminho para que o Brasil tenha acesso a compras via o FMS (Vendas Militares Estrangeiras), um mecanismo que facilita a exportação de armamentos americanos em condições favoráveis para países aliados.

Com isso, seria facilitada a entrada de sistemas de armas dos EUA no Brasil. Não foi especificado, contudo, que tipo de material poderia interessar aos brasileiros. Nos meios militares, a carência mais imediata é na área naval.

O país tem pretensões de virar o policial do Atlântico Sul, por assim dizer, e tem ganho mais controle sobre território marítimo em decisões recentes da ONU. Um dos motivos é o potencial mineral do subsolo de algumas regiões, além do fluxo de rotas comerciais pela área. O problema, para isso, é ter navios suficientes.

Hoje, não há. Das 8 fragatas em atividade, por exemplo, 1 está sendo desativada, 2 estão em manutenção e 3 entrarão no estaleiro em 2020, inclusive a União, que hoje é nau-capitânia da única operação naval da ONU, na costa do Líbano. O Brasil já indicou que deixará a missão.

Há um programa de construção de novos submarinos em curso, e a perspectiva da fabricação de novas corvetas, mas ambas as iniciativas padecem dos cortes de investimento que o governo promoveu devido à crise fiscal.