EUA precisam decidir se querem pena de morte em caso de atirador em Buffalo, diz juiz

Por Sarah N. Lynch e Jonathan Allen

(Reuters) - Um juiz federal dos Estados Unidos fez um apelo nesta quinta-feira ao Departamento de Justiça do país por uma decisão imediata sobre se haverá ou não a busca por uma sentença de morte para um homem branco acusado pelo assassinato com motivações raciais de 10 pessoas negras na cidade de Buffalo, em Nova York.

Payton Gendron, de 18 anos, enfrenta 26 acusações de crimes de ódio e contravenções ligadas a armas de fogo em uma queixa criminal do Departamento de Justiça norte-americano relacionada ao ataque de 14 de maio. O grão-júri ainda não retornou o indiciamento, e ele ainda não se declarou culpado ou inocente diante das acusações.

Durante a aparição inicial de Gendron na Corte Distrital dos EUA para o Distrito Ocidental de Nova York, o magistrado H. Kenneth Schroeder Jr. determinou que Gendron pode ser representado por um defensor público, após Gendron dizer que não tem emprego e tem apenas 16 dólares em suas contas bancárias.

Schroeder disse que, como o caso é passível de pena de morte, custará muito mais dinheiro aos contribuintes para pagar a conta dos custos de defesa legal de Gendron.

"Eu também tenho uma obrigação aos contribuintes deste país para conservar e preservar o máximo quanto for razoavelmente possível os seus ativos", disse, apontando que, em casos anteriores o governo gastou "gigantescas quantias" de dinheiro para que depois o Departamento de Justiça decidisse não buscar a sentença de morte.

(Reportagem de Sarah N. Lynch, em Washington; Brendan O'Brien, em Chicago; e Jonathan Allen, em Nova York)

REUTERS MCM

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos