EUA quer suspender acusações para que México investigue ex-ministro por tráfico

·1 minuto de leitura
Salvador Cienfuegos em 16 de abril de 2016
Salvador Cienfuegos em 16 de abril de 2016

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta terça-feira (17), para a surpresa de muitos, que buscará a retirada das acusações de tráfico de drogas contra o ex-ministro da Defesa mexicano Salvador Cienfuegos, para que o México o investigue.

"Em reconhecimento à forte parceria na aplicação da lei entre o México e os Estados Unidos, e no interesse de demonstrar nossa frente unida contra todas as formas de criminalidade, o Departamento de Justiça dos EUA tomou a decisão de buscar a anulação das acusações criminais nos EUA contra o ex-ministro Cienfuegos, para que ele seja investigado e, se for o caso, acusado de acordo com a legislação mexicana", disseram o procurador-geral dos EUA, William Bar, e seu equivalente mexicano Alejandro Gertz Manero, em um comunicado conjunto.

Promotores do Brooklyn acusam o general reformado de ajudar o cartel H-2 a "contrabandear milhares de quilos de cocaína, heroína, metanfetamina e maconha para os Estados Unidos, inclusive para a cidade de Nova York" entre 2015 e 2017, em troca de subornos milionários.

Na última quinta-feira, Cienfuegos, que foi ministro durante todo o governo de Enrique Peña Nieto (2012-2018), se declarou inocente das acusações perante um juiz de Nova York. Nesta quarta-feira, ele tem uma nova audiência.

Segundo a nota divulgada, os EUA forneceram provas ao México sobre o caso e "se comprometem a continuar a cooperar, nesse âmbito, para apoiar a investigação pelas autoridades mexicanas".

Cienfuegos foi preso no dia 16 de outubro a pedido da DEA, a agência americana de combate às drogas, ao chegar ao Aeroporto de Los Angeles.

Desde então, ele está detido. Inicialmente ficou preso na cidade da Califórnia e, há algumas semanas, foi transferido para Nova York.

lbc/dga/ic/mvv