EUA relutam em incluir suposta namorada de Putin em sanções, diz jornal

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Desde o início da Guerra da Ucrânia, a Casa Branca anunciou uma série de pacotes de sanções contra empresas e pessoas ligadas ao presidente russo, Vladimir Putin: bancos, estatais, políticos, oligarcas e até as duas filhas do chefe do Kremlin receberam punições.

Nesta semana, o jornal The Wall Street Journal destacou, com base em relatos de autoridades ligadas ao governo americano, que uma pessoa teria sido tirada da lista sob o temor de que restrições impostas a ela aumentassem ainda mais as tensões entre Washington e Moscou: a ex-ginasta Alina Kabaeva, suposta namorada secreta e mãe de três filhos do líder russo.

O WSJ afirma que a ex-atleta estava em uma pré-lista de alvos de sanções, mas uma decisão de retirar seu nome foi emitida pouco antes de a relação ser enviada ao Conselho de Segurança Nacional --órgão responsável por assessorar o presidente americano em relação à política externa.

A relação dos dois, ainda segundo a publicação, iria além da vida amorosa: Kabaeva seria uma das principais beneficiárias da fortuna atribuída a Putin ao redor do mundo. A constatação aparece em um relatório sobre as investigações acerca da suposta interferência russa nas eleições presidenciais dos EUA em 2016, que culminaram na vitória do republicano Donald Trump.

Em 2008, em visita à Sardenha, Putin foi questionado por um jornalista sobre as especulações que ligavam seu nome ao da ex-ginasta. O político, como era de se esperar, respondeu criticando aqueles "que tentam entrar na vida de outra pessoa com fantasias eróticas". E acrescentou: "Não há uma única palavra de verdade no que você disse".

Kabaeva estava se aposentando do esporte naquela época e logo em seguida seria eleita para o Parlamento pelo Rússia Unida, partido de Putin. Em 2018, ainda viria a ser indicada à presidência de uma organização que controla os principais meios de comunicação pró-governo. A nomeação fez com que ela tivesse um salto de rendimentos, de US$ 140 mil (R$ 693 mil, em valores de hoje) anuais como deputada para US$ 12 milhões (R$ 59,5 milhões) no National Media Group.

Putin foi casado com Liudmila Putina, ex-comissária de bordo da Aeroflot e mãe daquelas que são consideradas as únicas filhas do presidente, por 30 anos, até 2013.

Desde então, ele nunca assumiu um novo relacionamento, também em meio a uma estratégia de propaganda de que o chefe do Kremlin vive uma rotina árdua, voltada apenas para o trabalho.

Ainda assim, a inteligência dos EUA e de países europeus apontam que Kabaeva teria dado à luz, em 2015, a um filho com Putin, com o parto ocorrendo em um hospital luxuoso na Suíça, com vista para o lago de Lugano. Quatro anos depois, ela ainda teria tido gêmeos em Moscou --o WSJ aponta que um jornal russo chegou a publicar a notícia do nascimento, sem citar Putin, mas o texto foi removido.

Kabaeva, hoje com 39 anos, nasceu no Uzbequistão quando o país fazia parte da União Soviética. Aos 13 anos, ela já participava de competições internacionais de ginástica e com 17 conquistou a primeira medalha olímpica, em Sydney-2000. Quatro anos depois, nos Jogos de Atenas, levou um ouro.

A ginástica rítmica é bastante popular na Rússia, o que tornou Kabaeva uma estrela nacional. Além dos prêmios olímpicos, ela subiu ao pódio dezenas de vezes em campeonatos mundiais e europeus. Em 2001, foi condenada a entregar a medalha que havia conquistado no Mundial de Madri, após ser pega no antidoping --e ainda foi suspensa por um ano.

No último sábado (23), segundo o WSJ, a ginasta fez uma rara aparição pública em uma exposição em Moscou. Na ocasião, comentou a Guerra da Ucrânia e, com a marca "Z" ao fundo --símbolo de apoio às forças russas--, disse que a ginástica russa se tornaria mais forte mesmo com um movimento de Ocidente para isolar o país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos