Jornalistas equatorianos sequestrados não estariam na Colômbia, diz ministro

Bogotá, 8 mar (EFE).- O ministro colombiano de Defesa, Luis Carlos Villegas, assegurou nesta quarta-feira que, por enquanto, não existe informações que indiquem que os três trabalhadores equatorianos do jornal "El Comércio" que foram sequestrados na fronteira tenham sido levados à Colômbia.

"Não foi documentado que estejam em território colombiano", disse Villegas aos jornalistas.

Além disso, o ministro precisou que atualmente "a investigação está focada na área onde ocorreu os fatos em território equatoriano".

O ministro equatoriano do Interior, César Navas, confirmou ontem o sequestro de três trabalhadores do jornal de Quito, na província de Esmeraldas, fronteiriça com a Colômbia.

Em um comparecimento perante a imprensa no palácio de Governo, Navas indicou que os três trabalhadores do jornal, aparentemente dois jornalistas e o motorista, foram sequestrados na segunda-feira.

Além disso, o funcionário equatoriano manifestou que presume-se que os sequestrados "estejam na Colômbia", por isso que acrescentou que a equipe especializada da Polícia trabalha sobre essa hipótese.

A respeito, Villegas sustentou que a Colômbia está "dando toda a ajuda técnica necessária para encontrar os sequestrados, já que o país conta com uma grande experiência nesses crimes".

De fato, esclareceu, "reagimos aos pedidos equatorianos com rapidez e vamos manter essa colaboração para que a história tenha um final feliz". EFE