EUA retoma exercícios militares na Europa após pausa por pandemia

Presidente dos EUA, Donald Trump

Os exercícios militares dos EUA na Europa, suspensos pela pandemia de coronavírus, serão realizados no próximo mês em um formato reduzido, informou o Exército em comunicado nesta quarta-feira.

As manobras polonesas-americanas, originalmente planejadas para maio, mobilizarão cerca de 6.000 soldados de ambos os países entre 5 e 19 de junho em uma base no norte da Polônia, detalhou a força dos EUA.

"Todas as precauções contra o COVID-19 serão tomadas para preservar a saúde e a proteção das forças armadas participantes e da população local", acrescentou a nota.

Os 4.000 soldados americanos que participarão desses exercícios já viajaram para a Europa para a Operation Defender Europe 20, a maior mobilização de tropas do país norte-americano para o Velho Continente em 25 anos.

A pandemia, entretanto, levou o Pentágono a congelar todos a mobilização de suas tropas no mundo. Quando essas movimentações foram interrompidas, mais de 90% dos equipamentos da operação já haviam sido carregados em aviões e navios para o envio à Europa.

Mais de 6.000 soldados e 3.000 equipes chegaram à Europa e mais de 9.000 veículos foram mobilizados em áreas de treinamento na Alemanha.

"No geral, apesar dos ajustes no exercício devido ao COVID 19, muitos dos objetivos de prontidão estratégica foram alcançados", afirmou o comunicado do Exército.

Outros exercícios serão realizados nos próximos meses no âmbito do programa Defender Europe 20, que originalmente planejava transferir 20.000 soldados dos EUA para a Ucrânia e os Estados Bálticos.

O tamanho da mobilização reflete a preocupação desencadeada pela anexação da Crimeia pela Rússia em 2014.