EUA soma 11 mortes por novo coronavírus

1 / 2
Maioria das mortes nos EUA foram registrada no estado de Washington

Duas mortes pelo novo coronavírus foram relatadas nesta quarta-feira (4) nos Estados Unidos, elevando para 11 em todo o país, enquanto o Congresso planeja aprovar recursos de mais de 8 bilhões de dólares para lidar com a epidemia.

Uma morte foi registrada na Califórnia e outra no estado de Washington, onde ocorreram outras nove mortes, em sua maioria em um asilo de idosos próximo a Seattle.

Em todo o país, mais de 130 pessoas foram infectadas até agora pelo vírus em mais de uma dúzia de estados.

A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, disse na quinta-feira que republicanos e democratas chegaram a um acordo para financiar a resposta ao surto com US$ 8,3 bilhões.

"Os americanos precisam urgentemente de uma resposta coordenada e totalmente financiada por todo o governo para nos manter a salvo da crescente epidemia de coronavírus", disse ela em comunicado.

"Podemos fazer isso agora, porque hoje chegamos a um acordo bipartidário e bicamaral sobre um pacote de fundos de resposta a emergências ao coronavírus".

O presidente Donald Trump tinha solicitado originalmente um valor menor, de US$ 2,5 bilhões, mas disse que seria melhor que um valor maior fosse disponibilizado.

O vírus matou mais de 3.200 pessoas desde que surgiu na China em dezembro.

- Estado de emergência -

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, enviou suas condolências pela morte, sem dar detalhes do que aconteceu no condado de Placer, ao norte da capital Sacramento.

"O estado está trabalhando com autoridades federais para rastrear a localização de pessoas que podem ter sido expostas ao vírus para fornecer tratamento e proteger a saúde pública", afirmou em comunicado.

O estado de Washington adicionou a décima morte a um boletim em seu site, onde também registra 39 casos positivos.

Mais de 50 pessoas estão infectadas na Califórnia, o número mais alto nos Estados Unidos.

O condado de Los Angeles, o mais populoso do país, registrou seis novos casos, dos quais três correspondem a um grupo que viajou pelo norte da Itália, região que se tornou epicentro do contágio e onde o vírus está ligado mais de 100 mortes, explicou Barbara Ferrer, diretora do Departamento de Saúde Pública do condado.

Os outros dois casos envolvem um indivíduo que entrou em contato com um membro da família que tinha o vírus e outro que, por causa de seu trabalho, estava em contato frequente com viajantes.

Os funcionários do condado disseram esperar que o número de infecções na Califórnia aumentasse nos próximos dias, e informaram às famílias que se preparassem para um possível fechamento das escolas e cancelamento de eventos públicos.

- "Altamente capacitada" -

O Departamento de Segurança nacional (DHS) anunciou que um funcionário contratado para revistar os passageiros no aeroporto de Los Angeles (LAX) estava em quarentena em sua casa, junto à família, após apresentar sintomas leves da doença.

O último turno dele no aeroporto foi no último 21 de fevereiro, e os sintomas começaram a aparecer no dia 29 de fevereiro, segundo comunicado.

"O DHS informa que essa pessoa era altamente capacitada e que fez muito bem o trabalho quando começou e durante o momento em que estava doente", disse em declaração.

"Nos foi informado que ele usou todo o equipamento de proteção correto e tomou todas as medidas necessárias", acrescentou.

As autoridades de Washington informaram nesta quarta a décima morte no estado onde foram registrados 39 casos, em sua maioria relacionados com o asilo de idosos Life Care.

As autoridades identificaram 10 novos casos, nove relacionados com o asilo.

Em Nova York, as autoridades informaram que os familiares e o vizinho de um homem que tinha o vírus também testaram positivo para o vírus.