Cartes destitui ministro do Interior e chefe de polícia após distúrbios

Assunção, 1 mar (EFE).- O presidente do Paraguai, Horacio Cartes, destituiu neste sábado o ministro do Interior, Tadeo Rojas, e o comandante da Polícia Nacional, Críspulo Sotelo, um dia depois dos protestos contra a reeleição presidencial, no qual um jovem morreu e parte do edifício do Congresso foi incendiada.

O novo ministro do Interior, em caráter interino, é Lorenzo Lezcano, até então vice-ministro de Segurança Interna. Sotelo será substituído por Luis Carlos Rojas, antigo vice, anunciou em entrevista coletiva Juan Carlos López Moreira, chefe de gabinete da presidência.

A presidência também disse em comunicado que Cartes realizou essas mudanças "considerando os últimos eventos no âmbito da segurança e perante a ordem expressa de extremar cuidados para evitar excessos no uso da polícia".

O anúncio foi feito em meio às exigências para a demissão de Rojas feitas por partidos opositores após os distúrbios da sexta-feira, quando soldados invadiram a sede do Partido Liberal e um dos agentes matou Rodrigo Quintana, um militante de 25 anos do partido.

Rojas e Sotelo tinham concedido uma entrevista coletiva nesta manhã na qual denunciaram a detenção de um suboficial de polícia como suposto autor da morte de Quintana.

A morte ocorreu durante os protestos nos quais grupos de manifestantes incendiaram parte do Congresso depois que a polícia disparou balas de borracha.

Os incidentes começaram após 25 senadores votarem a favor do projeto de emenda constitucional para habilitar a polêmica reeleição presidencial, durante uma votação nas dependências parlamentares da Frente Guasú, do ex-presidente Fernando Lugo, e sem a presença do restante dos legisladores.

O projeto desses senadores foi elaborado conjuntamente pelo Partido Colorado, de Cartes, pelo de Lugo e por alguns legisladores liberais, segundo reconheceram. EFE