EUA vão devolver ao Peru dinheiro apreendido de ex-presidente Toledo no caso Odebrecht

Prédio da Odebrecht em São Paulo

Por Luc Cohen e Marcelo Rochabrun

(Reuters) - Os Estados Unidos irão devolver ao Peru cerca de 686 mil dólares apreendidos do ex-presidente Alejandro Toledo, que recebeu propina do conglomerado brasileiro de construção Odebrecht, informou o Departamento de Justiça norte-americano nesta quarta-feira.

Promotores federais no Brooklyn, em Nova York, disseram que a Odebrecht pagou 25 milhões de dólares em propinas a Toledo, que foi presidente do Peru entre 2001 e 2006, em troca de contratos para a construção de rodovias.

Os promotores disseram que Toledo usou 1,2 milhão de dólares do dinheiro em 2007 para comprar uma casa no Estado de Maryland, vendida por ele oito anos depois.

Em 2020, um juiz decidiu que os promotores poderiam apreender o dinheiro que Toledo mantinha em uma conta no Bank of America.

"O confisco civil desempenha um papel crítico em privar criminosos de seus ganhos ilícitos, independentemente de seu status", disse Breon Peace, principal promotor federal do Brooklyn, em comunicado.

A Odebrecht admitiu ter distribuído propinas a governos de toda a América Latina para ajudar a consolidar seu vasto império de construção.

Toledo negou ter solicitado ou recebido subornos e não foi acusado criminalmente nos Estados Unidos. O ex-presidente não pôde ser encontrado para comentar a situação, e seus advogados norte-americanos não responderam imediatamente a pedidos de comentários.

Toledo agora vive na Califórnia, onde luta contra as tentativas do governo peruano de extraditá-lo para enfrentar acusações de suborno relacionadas à Odebrecht. Ele foi representado no processo de extradição por um defensor público, e disse não ter renda ou poupança.

O Departamento de Estado dos EUA decidirá se irá ou não extraditá-lo.

O Ministério das Relações Exteriores do Peru tuitou em fevereiro que havia fechado um acordo com os Estados Unidos para repatriar o dinheiro de Toledo.