EUA vão retirar cidadãos norte-americanos de Wuhan, na China

O Globo e agências internacionais

WASHINGTON - Os Estados Unidos estão organizando um voo especial para trazer, neste domingo, seus cidadãos e diplomatas de volta da cidade chinesa de Wuhan, epicentro do surto de um novo coronavírus.

O avião, com cerca de 230 pessoas, levará diplomatas do consulado dos EUA, bem como cidadãos norte-americanos e suas famílias, informou o jornal "Wall Street Journal" neste sábado, citando uma pessoa familiarizada com a operação.

Washington recebeu aprovação da operação do Ministério das Relações Exteriores da China e de outras agências governamentais após negociações nos últimos dias.

Um porta-voz da Embaixada dos EUA em Pequim disse que, na quinta-feira, o Departamento de Estado ordenou a saída de membros da família e de todos os funcionários do governo dos EUA no consulado de Wuhan, mas se recusou a comentar o relatório de que outros cidadãos dos EUA seriam retirados da cidade.

A decisão de transferir funcionários e famílias do consulado dos EUA deveu-se ao surto do coronavírus "e a interrupções logísticas decorrentes de transporte restrito e hospitais sobrecarregados na cidade de Wuhan", disse o porta-voz em comunicado enviado à Reuters.

Até o momento, o vírus já matou 41 pessoas na China e infectou 1.372, de acordo com informações do governo chinês. A Austrália confirmou, também neste sábado, seus quatro primeiros casos da doença. A Malásia identificou três ocorrências, ao passo que a França já havia relatado os primeiros casos na Europa na sexta-feira. Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença é uma emergência na China, mas "ainda é cedo" para decretar estado de emergência global. A maioria dos casos está concentrada em Wuhan, de onde o vírus teria começado a se propagar no final do ano passado.

Em Pequim, as autoridades anunciaram que vão proibir a entrada e a saída de ônibus da capital a partir deste domingo. Segundo o Diário do Povo, "todos os transportes rodoviários de passageiros" que atravessam Pequim serão suspensos, como medida "para a prevenção e controle da epidemia". A capital se une assim às medidas de isolamento adotadas por outras cidades do país asiático para tentar conter a disseminação do vírus.

O governo central também anunciou a suspensão de todas as viagens turísticas em grupo dentro do país e para o exterior.