Europa avança em novo confinamento contra uma agressiva segunda onda de covid-19

María Isabel Sánchez con las oficinas de AFP en el mundo
·4 minuto de leitura

Bares, restaurantes, lojas e lugares de lazer se preparam para fechar as portas na França e Alemanha, como parte de um novo confinamento imposto pelos governos contra uma segunda onda do novo coronavírus que atinge com força a Europa e gera temores de ser ainda mais mortal.

  • Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

  • Siga o Yahoo Notícias no Google News

  • Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

  • Siga o Yahoo Notícias no Instagram

O vírus permanece imparável mais de 10 meses depois de ter sido detectado na China e já provocou cerca de 1,2 milhão de mortes no mundo, com 44,6 milhões de casos, segundo um balanço realizado pela AFP nesta quinta-feira às 8h00 (Brasília) com base em fontes oficiais.

Leia também

  • Pantanal em chamas: as perdas afetivas e financeiras de três ribeirinhos que vivem às margens do Rio Cuiabá

  • Salles nega ter chamado Maia de "nhonho" e alega que "alguém se utilizou indevidamente” de sua conta em rede social

  • O que a privatização de UBS proposta por Bolsonaro significaria ao SUS e ao Brasil?

Atualmente avança a um ritmo de meio milhão de novos casos por dia, de forma acelerada na Europa, o que levou países como França, Itália, Espanha e Alemanha a retomarem medidas restritivas, embora um pouco mais leves do que na primeira onda pandêmica na primavera.

Após duas semanas de um toque de recolher noturno para dois terços de sua população, que mostrou-se insuficiente, a França - com mais de 35.000 mortos - começará na meia-noite desta quinta-feira um novo confinamento nacional ao menos até 1o de dezembro.

Embora menos rígido do que o da primavera, já que as escolas, fábricas e serviços públicos continuarão abertos, os bares, restaurantes, museus e serviços não essenciais terão que fechar as portas.

As autoridades temem o pior. O primeiro-ministro francês Jean Castex disse nesta quinta-feira que prevê um pico de hospitalização em novembro "maior que o de abril".

Medidas semelhantes entraram em vigor na Alemanha, apesar da frustração de muitos e inclusive de manifestações que, por exemplo na Itália, desencadearam fortes distúrbios esta semana.

"Deixe-me ser clara: mentiras e desinformação, conspiração e ódio não só prejudicam o debate democrático, mas também o combate ao coronavírus", disse nesta quinta-feira a chanceler alemã Angela Merkel, ao defender as novas restrições.

Resistência ao confinamento

Diante do forte impacto para a economia e a vida social, alguns países como Rússia e Reino Unido resistem a um confinamento nacional, apesar dos números alarmantes da expansão do vírus. O Reino Unido é, em número de mortes, o quinto do mundo, atrás dos Estados Unidos (o primeiro), Índia, Brasil e México.

O presidente russo Vladimir Putin afirmou hoje que não haverá um reconfinamento nacional "sob o qual a economia e as atividades comerciais estarão praticamente paralisadas".

Em outros continentes, alguns países já veem a segunda onda pandêmica chegar com força. A Índia, o segundo país mais afetado pela pandemia depois dos Estados Unidos, superou a marca de oito milhões de casos de coronavírus.

Na América Latina, onde o coronavírus também provoca estragos, a situação é complicada em vários países. O Brasil já acumula quase 160.000 mortes e 5,5 milhões de casos.

O México, que acompanha o Brasil no balanço latino-americano, superou os 90.000 mortos por covid-19 e se mantém como o quarto país com mais óbitos do mundo, em um momento em que oito estados vivenciam novos surtos no número de casos.

Halloween na pandemia

Estados Unidos ainda tem o maior número de mortes e infecções do mundo (227.701 mortos com 8,8 milhões de casos) e, assim como a Europa, está lutando contra um novo pico com dezenas de milhares de novos casos diários.

Como se já não fosse o suficiente, aumentou o alarme quando o FBI e outras duas agências americanas alertaram sobre "uma ameaça crescente e iminente de crimes cibernéticos" nos hospitais dos Estados Unidos, o que motivou um pedido de vigilância redobrada.

O coronavírus assombrou as celebrações do Halloween em 31 de outubro. Os Centros para o Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos alertaram que podem apresentar um alto risco de contágio.

Enquanto isso, os embates da pandemia na economia persistem. O grupo de capital belga e brasileiro AB InBev, número um mundial do setor de cervejas, registrou no terceiro trimestre uma queda de um terço de seu lucro líquido, a 1,58 bilhão de dólares.

O grupo espanhol Telefónica perdeu 160 milhões de euros (187 milhões de dólares) no terceiro trimestre devido à deterioração dos negócios na Argentina, à desvalorização das moedas latino-americanas e pela pandemia.