Europa deve permitir apenas entrada de estrangeiros vacinados com imunizantes aprovados pela UE

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Europa deve limitar entrada de estrangeiros (Leon Neal/Getty Images)
Europa deve limitar entrada de estrangeiros (Leon Neal/Getty Images)
  • Europa deve limitar entrada de pessoas dependendo da vacinação contra Covid-19

  • Tendência é que sejam liberadas apenas as que receberem imunizantes aprovados pela União Europeia

  • A Coronavac, por exemplo, é uma das vacinas que não foi aprovada pelo bloco

A reabertura das fronteiras para viagens internacionais será afetada diretamente pela vacinação contra Covid-19. Na Europa, por exemplo, a tendência é liberar apenas a entrada de estrangeiros que receberam imunizantes aprovados pela União Europeia.

De acordo com a Bloomberg, foi isso que sinalizou Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Em entrevista ao New York Times no último domingo, ela destacou que o continente vai limitar a entrada dos americanos, permitindo apenas aqueles imunizados com vacinas aprovadas pelo bloco.

Leia também

Se isso for comprovado, pessoas que receberam imunizantes como os chineses Sinovac Biotech e Sinopharm estarão impedidos de entrar no continente. A Coronavac, distribuída no Brasil, também daria ao vacinado o direito de ir à Europa.

Assim como os Estados Unidos, a União Europeia está imunizando seus cidadãos com vacinas da Pfizer/BioNTech, Moderna e Johnson & Johnson. Os insumos da Astra/Zeneca também foram aprovados pelo bloco.

Vacinação será determinante para entrada na Europa (AP Photo/Vincent Thian)
Vacinação será determinante para entrada na Europa (AP Photo/Vincent Thian)

Passaporte Covid

A União Europeia discute a criação de um "passaporte Covid", documento que libera a circulação entre os países do bloco. Além dos vacinados, poderiam viajar pelo continente quem se recuperou da doença nos últimos meses e aqueles que apresentarem teste negativo realizado próximo ao embarque.

A medida pode ter reflexo direto nos negócios, uma vez que exclui, por exemplo, as vacinas aprovadas na China. Os cidadãos da segunda maior economia do mundo seriam proibidos de adentrar a Europa caso vacinem-se em seu país.