Europa paga mais barato que os EUA por vacina da Covid-19, mostra documento vazado

O Globo
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO - O vazamento de uma lista de preços que a União Europeia está desembolsando por seis diferentes vacinas para Covid-19 indica que o bloco de países deve pagar consideravelmente menos que os Estados Unidos por ao menos três imunizantes.

A informação foi publicada sem autorização no Twitter pela secretária de orçamento da Bélgica, Eva De Bleeker, após partidos de oposição acusarem o governo de não ter reservado verbas para comprar vacinas.

Uma tabela com preços de vacinas da Pfizer, AstraZeneca, Janssen, Sanofi/GSK, Curevac e Moderna foi exibida na postagem, o que consistiu uma violação, pois as negociações vem sendo conduzidas de modo reservado.

De Bleeker apagou o tweet meia hora depois, mas a essa altura o jornal belga HLN já havia gravado os números e divulgado a notícia.

O jornal Washington Post repassou a lista mais tarde a uma empresa de consultoria de investimenos, que fez uma análise comparando os preços a serem pagos. A vacina da Pfizer, por exemplo, está custando à União Europeia 25% menos do que aos EUA (US$ 14,76 por dose contra US$ 19,50).

Os europeus também vão pagar menos que os EUA pelas vacinas da Sanofi/GSK (desconto de 11%) e da AstraZeneca (desconto de 45%). No caso da Moderna apenas, os EUA é que estão pagando menos em relação à Europa (desconto de 20%). Para Curevac e Janssen não foi possível fazer a comparação porque não há preço definido aos americanos.

Preço escalonado

No caso da Pfizer, a empresa já tinha afirmado que teria 3 faixas de preços diferentes para países de renda per capita alta, média e baixa. Não estava claro, porém, se o preço iria diferir dentro de cada um desses grupos.

O vazamento de informações confidenciais por De Bleeker pode colocar negociações em risco, já que se trata de uma violação de contratos. Os 27 países da União Europeia devem adquirir 2 bilhões de doses de vacinas, segundo o Washington Post.

Na postagem de Twitter posteriormete apagada, a belga afirmava que seu país ficaria com 33,5 milhões de doses de vacinas, pagando por elas 279 milhões de euros. Os preços das doses exibidos, porém, eram informação da UE, não do governo belga, pois os países negociam em bloco.

Entre as empresas mencionadas no documento belga, apenas as da AstraZeneca e da Pfizer estão devem ser aplicadas no Brasil. A primeira delas, uma das mais baratas, deve chegar a um preço de US$ 2,30 por dose. A vacina da Pfizer, por usar uma tecnologia nova e requerer logística mais complicada, deve ser mais cara, mas os preços ainda em negociação com o governo brasileiro não foram revelados.

O GLOBO procurou a divisao brasileira da Pfizer para saber sobre preços que devem ser praticados no Brasil para a vacina da Covid-19 e ainda aguardava resposta na hora de publicação desta notícia.