Europa retoma atividades aos poucos e futebol volta com cautela por coronavírus

Por Mathieu FOULKES, com escritórios da AFP no mundo
1 / 6
Moradores de São Petersburgo, na Rússia, aproveitam o tempo bom apesar do confinamento, em 5 de maio de 2020

A Alemanha deu nesta quarta-feira (6) luz verde para a retomada da Liga nacional de futebol, a Bundesliga, símbolo da normalização em uma Europa que começa a suspender o confinamento pouco a pouco, à medida que a pandemia do novo coronavírus parece controlada.

Para o presidente americano, Donald Trump, a crise desatada pelo coronavírus é "pior" que o ataque surpresa do Japão em 1941 contra a base militar de Pearl Harbor, no Havaí, e "pior que o World Trade Center", em alusão aos atentados de 11 de setembro de 2001.

"Isto não deveria ter acontecido", acrescentou no Salão Oval da Casa Branca.

China e Estados Unidos travam uma guerra dialética sobre a origem do Sars-CoV-2 (vírus causador da COVID-19). O chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo, reiterou que dispõe de "provas significativas" de que o patógeno escapou de um laboratório em Wuhan, região central da China, apesar de ter admitido que não tem "a certeza" de que tenha ocorrido assim.

- Sem tempo a perder -

Pequim reagiu nesta quarta assegurando que o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, não pode apresentar nenhuma prova "porque não tem nenhuma", disse em Genebra o embaixador chinês nas Nações Unidas.

"A prioridade é se concentrar na luta contra a pandemia até a vitória final (...) Não temos tempo a perder, já que é preciso salvar vidas", advertiu Chen Xu.

Desde que surgiu oficialmente em dezembro na cidade chinesa de Wuhan, o novo coronavírus causou a morte de mais de 260.000 pessoas no mundo, embora as cifras reais possam ser muito superiores, e obrigou quase metade da humanidade a se confinar.

Os Estados Unidos, país mais atingido pela pandemia, já contabilizam quase 72.000 mortos. Seguem-nos Grã-Bretanha (30.076 mortos), Itália (29.315), Espanha (25.857) e França (25.809).

Diferentemente de Estados Unidos e América Latina, onde o número de mortos e as medidas de confinamento seguem em aumento, a pandemia parece controlada na Europa, o continente mais afetado até agora, mas que começou há quase duas semanas uma suspensão cautelosa e progressiva do confinamento.

Berlim deu nesta quarta-feira luz verde à retomada em 15 de maio da Bundesliga após dois meses de interrupção, como todo o resto das competições internacionais do esporte mais popular do planeta. Será o primeiro campeonato a voltar, mas sem público e com medidas de precaução draconianas.

Enquanto a França deu por encerrada sua liga, Inglaterra, Espanha e Itália esperam retomar as suas em junho. Outros países já anunciaram suas respectivas datas, como a Sérvia (30 de maio), Croácia (6 de junho) ou Turquia (12 de junho). Portugal também se prepara para voltar aos gramados, enquanto na Bélgica as competições estão suspensas até o final de julho.

A volta à normalidade na Alemanha vai além do futebol. Com dados "muito satisfatórios", Berlim decidiu suspender nesta quarta quase totalmente as restrições impostas desde meados de março para conter os contágios.

- Objetivo alcançado -

"Portanto, chegamos a um ponto em que podemos dizer que alcançamos o objetivo de retardar a propagação do vírus", anunciou a chanceler, Angela Merkel.

O acordo do governo federal com as regiões (Landers) prevê a reabertura a partir da semana que vem de todos os estabelecimentos comerciais, inclusive os de mais de 800 m2, que ainda permaneciam fechados, e as escolas. Restaurantes e hotéis também vão abrir a partir da próxima semana, dependendo das regiões.

Só permanecerão fechadas as fronteiras e continuarão proibidos os grandes eventos esportivos e culturais com público.

Na vizinha Dinamarca, as autoridades sanitárias avaliam que a COVID-19 desaparecerá sozinha com as medidas de confinamento, embora temam uma segunda onda.

Na Espanha, o chefe de governo, Pedro Sánchez, considerou que uma suspensão do confinamento "precipitada" no país seria um "erro absoluto, total e imperdoável", e defendeu no Parlamento a necessidade de estender o estado de emergência.

Os deputados aprovaram uma extensão até 23 de maio, apesar da oposição dos conservadores e da extrema direita.

Na Bélgica, o confinamento imposto continua sendo abrandando também, com a reabertura dos estabelecimentos não essenciais na segunda-feira, anunciou a primeira-ministra Sophie Wilmes. A partir de domingo, cada família poderá receber sob seu teto quatro pessoas, parentes ou amigos, com a condição de que sejam "sempre os mesmos".

Na Grã-Bretanha, o primeiro-ministro Boris Johnson foi encurralado nesta quarta-feira pelo líder da oposição a respeito do balanço oficial da COVID-19 no país.

"Como se pode chear a isso?", alfinetou o líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, em uma Câmara dos Comuns parcialmente vazia, alarmado com o número de mortos que "dispara" nos lares para idosos. Johnson prometeu para o domingo anunciar sua estratégia de desconfinamento.

- Airb'n'b afetado -

Na economia, a Comissão Europeia vaticinou uma recessão "histórica" na UE este ano, com queda do PIB de 7,7% na zona do euro, e uma retomada do crescimento de 6,3% para 2021.

Os países mais afetados serão Grécia (-9,7%), Itália (-9,5%) e Espanha (-9,4%), devido à sua forte dependência do turismo.

É que este setor, do qual dependem mais de 300 milhões de empregos e 10% do PIB global, é um dos mais afetados pela pandemia com a restrição praticamente total das viagens no mundo.

A Airb'n'b, uma das empresas símbolo do turismo global, prescindirá de 25% de seus 7.500 funcionários.

- Pico na América Latina ainda por vir -

Se a Europa parece ter superado o pico da epidemia, o balanço é galopante na América Latina e no Caribe, onde se registraram mais de 286.000 casos e mais de 15.500 mortos, segundo contagem da AFP com base em números oficiais.

Espera-se que o pico da pandemia seja atingido nos próximos dias em alguns pontos da região, razão pela qual vários países como Equador, Colômbia e República Dominicana decidiram prorrogar as medidas de confinamento para evitar a propagação da pandemia.

A Organização Pan-americana da Saúde (OPAS) pediu aos governos que sejam "cautelosos" na hora de abrandar estas medidas, e advertiu que a transmissão "ainda é muito alta" em Brasil, Equador, Peru, Chile e México.

O Brasil, onde o presidente Jair Bolsonaro incentiva a retomada das atividades e desacredita as medidas de prevenção, é de longe o mais afetado e registra mais de 115.000 casos e quase 8.000 mortes. Preocupado, o Uruguai anunciou que aumentará o controle sanitário na fronteira entre os dois países.

O Fundo Monetário Internacional (FMI), prevê queda de 5,2% do PIB da região pelo coronavírus, razão pela qual, segundo Alejandro Werner, diretor do Hemisfério Ocidental do Fundo, "a região enfrenta o espectro de outra 'década perdida' durante 2015-25".