Europeus e americanos pedem que Irã cumpra 'totalmente' o acordo nuclear

María Elena BUCHELI, Stuart WILLIAMS
·3 minuto de leitura
Rafael Grossi, diretor da Agência Internacional de Energia Atômica, em 21 de setembro de 2020 em Viena, Áustria

Autoridades europeias e americanas pediram nesta quinta-feira (18) que o Irã cumpra "totalmente" o acordo nuclear de 2015, e afirmaram ser "perigoso" que Teerã limite o acesso dos inspetores internacionais a algumas instalações, como planeja fazer nos próximos dias.

O ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, recebeu seus colegas alemão, Heiko Maas, e britânico, Dominic Raab, à tarde, em Paris, em uma reunião da qual participou por videoconferência o secretário de Estado americano, Antony Blinken.

As quatro potências ocidentais reafirmaram seu "objetivo comum de que o Irã mais uma vez cumpra integralmente seus compromissos" sob o acordo de 2015 relativo ao programa nuclear iraniano, de acordo com um comunicado conjunto divulgado após a reunião.

As autoridades destacaram seu interesse comum em "preservar o regime de não proliferação nuclear e garantir que o Irã nunca possa adquirir uma arma nuclear", segundo a nota.

Horas depois da reunião, os Estados Unidos afirmaram que estão dispostos a conversar com o Irã e que renunciaram às pretensões do ex-presidente Donald Trump de impôr novas sanções na ONU contra Teerã.

“Os Estados Unidos aceitariam um convite do Alto Representante da União Europeia para participar de uma reunião do P5 + 1 (EUA, Rússia, China, Reino Unido, França e Alemanha) e o Irã para discutir uma via diplomática para o programa nuclear iraniano", informou o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price.

Essas declarações acontecem dias antes de um prazo preocupante: por meio de uma lei aprovada pelo Parlamento iraniano, Teerã planeja restringir a partir de 21 de fevereiro o acesso de inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) a algumas instalações se os Estados Unidos não suspenderem seu sanções impostas desde 2018.

Os quatro chanceleres ressaltaram a natureza "perigosa" da decisão e instaram o Irã a "considerar as consequências de uma ação tão grave, especialmente neste momento de renovada oportunidade diplomática".

"Nossas medidas são uma resposta às violações americanas e europeias", reagiu o chanceler iraniano Mohamad Javad Zarif na noite de quinta-feira, pedindo "o fim do terrorismo econômico herdado" do governo do presidente Donald Trump. “Responderemos aos atos com atos”, acrescentou.

França, Alemanha, Reino Unido e Estados Unidos também expressaram preocupação com a recente decisão do Irã de produzir urânio enriquecido em 20% e urânio metálico, o que é um "passo fundamental no desenvolvimento de uma arma nuclear".

"O secretário de Estado Blinken lembrou que, como disse o presidente (americano Joe) Biden, se o Irã voltar a cumprir estritamente seus compromissos (...), os Estados Unidos farão o mesmo, e estavam dispostos a iniciar negociações com o Irã para isso".

Desde a retirada dos Estados Unidos do acordo em 2018, decidida pelo então presidente Trump, e o retorno das sanções que sufocam a economia iraniana, Teerã vem se livrando de muitas das restrições que havia concordado impor ao seu programa nuclear.

A chegada de Joe Biden à Casa Branca em janeiro gerou esperanças de que o diálogo entre Washington e Teerã fosse retomado, após uma política de "pressão máxima" exercida por seu antecessor.

Mas Biden disse que os EUA pretendem retornar ao pacto quando o Irã retomar seus compromissos na totalidade.

- "Encontrar uma solução mutuamente aceitável" -

O diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, deve viajar a Teerã no sábado para "encontrar uma solução mutuamente aceitável", de acordo com o órgão sediado em Viena, que está preocupado com o "grave impacto" dessas restrições.

Teerã deve garantir "cooperação plena e rápida" à AIEA, insistiu o porta-voz da diplomacia dos EUA, Ned Price, na quarta-feira.

“O Irã deve recuar e não tomar outras medidas que tenham impacto nas garantias da AIEA, com as quais contam não só os Estados Unidos, não só aliados ou parceiros na região, mas todo o mundo”, acrescentou.

Por sua vez, o Irã rejeita os pedidos de ampliação dos termos do acordo.

"O que é necessário agora são gestos americanos concretos que realmente mostrem ao Irã que os EUA estão se afastando da política de pressão máxima do mandato de Trump", disse à AFP Ellie Geranmayeh, especialista em Irã do Conselho Europeu de Relações Exteriores (ECFR).

burs-meb/bl/jc/mvv/ic/am