Evangélicos são a aposta final de Crivella para ir ao segundo turno no Rio

Bernardo Mello e João Paulo Saconi
·1 minuto de leitura
Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo
Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo

RIO – Na reta final do primeiro turno, o prefeito do Rio e candidato à reeleição Marcelo Crivella (Republicanos) aumentou a aposta na preferência do eleitorado evangélico em meio a dificuldades para avançar em outros segmentos. Ele ultrapassou em novembro o patamar de 30% das intenções de voto nesse grupo, segundo pesquisas do Ibope e do Datafolha. O crescimento ocorreu após declaração de apoio do presidente Jair Bolsonaro, descrito por um líder religioso do Rio como um dos fatores com “maior influência” no mundo evangélico.

A estratégia de Crivella contrasta com sua campanha de 2016, quando procurou se afastar do rótulo de “bispo”. Neste ano, ele levou para a propaganda eleitoral uma versão adaptada da canção gospel “Aleluia porque a luta continua” e intensificou os apelos religiosos nas redes sociais. Líderes evangélicos do Rio, no entanto, se mantêm longe da campanha do atual prefeito.