Evelyn de Rothschild, herdeiro da famosa dinastia bancária e consultor da Rainha Elizabeth, morre aos 91 anos

Evelyn de Rothschild, que ajudou a unir os braços britânico e francês do famoso grupo bancário de sua família e contou com a rainha Elizabeth II entre aqueles que procuraram seus conselhos financeiros, morreu aos 91 anos.

Citando um comunicado da família, a Associação de Imprensa do Reino Unido informou que Rothschild morreu “pacificamente em casa”.

Saindo da crise: Credit Suisse anuncia reestruturação total para superar escândalos

E-commerce: Quem vai ser a próxima Shein?

A partir de 1976, Rothschild serviu 27 anos como presidente da N.M. Rothschild & Sons, a filial londrina da famosa dinastia financeira iniciada por seu tataravô no fim do século XVIII. Entre suas muitas outras funções, o banco conhecido hoje como Rothschild & Co. ajudou a financiar a vitória do duque de Wellington sobre Napoleão, em 1815, na batalha de Waterloo.

Antes de deixar o cargo em 2003, ele alcançou um objetivo há muito planejado de reunir os negócios de Londres com sua contraparte francesa, Rothschild & Compagnie Banque. Isso foi visto como um passo fundamental para permanecer competitivo com bancos multinacionais muito mais jovens - mas também maiores.

- A primeira força importante da família é a união - disse ao New York Times, em 1996, quando ele e seu primo, David de Rothschild, chefe da casa francesa, anunciaram sua nova parceria.

De 1972 a 1989, ele foi presidente da revista Economist, que, em uma entrevista de 2002 à Bloomberg News, chamou de “provavelmente a publicação mais independente do mundo”.

A empresa Rothschild foi fundada por Mayer Amschel, que começou comprando e vendendo moedas antigas em um gueto de Frankfurt. Ele tirou o sobrenome da família do escudo vermelho – “rote Schild” em alemão – que foi exibido acima da casa de um ancestral na década de 1560.

No início de 1800, ele enviou seus cinco filhos para estabelecer bases de Rothschild em Londres, Paris, Nápoles, Viena e Frankfurt. A N.M. Rothschild, com sede em Londres, leva o nome de Nathan Mayer Rothschild, tataravô de Evelyn.

Consultor da rainha, amigo de Thatcher

A influência da família diminuiu no século 20 porque os governos europeus confiaram nos bancos americanos para financiar as duas guerras mundiais contra a Alemanha. Após a Segunda Guerra Mundial, Evelyn e seu primo Jacob remodelaram o N.M. Rothschild como um banco mercantil britânico, que organizou negócios internacionais de títulos para países como Chile e Hungria.

A dupla teve uma separação altamente divulgada em 1980 por causa do esforço de Jacob para se fundir com a S.G. Warburg & Co., na esperança de se expandir internacionalmente e competir com empresas de Wall Street. Quando Evelyn recusou, Jacob se demitiu e fundou um fundo de investimento derivado, o RIT Capital Partners Plc.

''A preservação do controle familiar teve precedência sobre a expansão'', escreveu o historiador britânico Niall Ferguson em seu segundo volume sobre o clã Rothschild. "Foi uma divisão séria dentro do ramo inglês da família''.

De sua parte, Evelyn Rothschild reconstruiu o N.M. Rothschild contratando uma série de banqueiros bem relacionados. Um deles foi Michael Richardson, sócio da Cazenove. Sua amizade com Margaret Thatcher - primeira-ministra britânica de 1979 a 1990 - ajudou o banco a conquistar o cargo de principal subscritor nas nas privatizações de estatais britânicas como British Gas e British Petroleum.

Rothschild também ajudou a empresa a se expandir na China, onde abriu um escritório em Pequim em 1999. Ele foi nomeado cavaleiro em 1989 pela rainha Elizabeth II e foi, por muitos anos, um dos consultores financeiros da rainha.

- Ninguém gasta mais do que a rainha. Ela cresceu durante a guerra. E é muito disciplinada - disse Rothschild ao London Evening Standard, em 2017.

Refúgio nos EUA em tempo de guerra

Evelyn Robert Adrian de Rothschild nasceu em 29 de agosto de 1931, filho único de Anthony Gustav de Rothschild e de Yvonne Cahen d'Anvers, de acordo com o site do Rothschild Archive, um fundo de caridade independente.

Evacuado para a relativa segurança dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial, ele trabalhou em uma farmácia em Westhampton, em Long Island, Nova York, contou o Financial Times para um perfil de 2017. Retornou ao Reino Unido para estudar primeiro na Harrow School, em Londres, e depois no Trinity College da Universidade de Cambridge.

Ele ingressou no banco de sua família em 1957. Ajudou a expandir negócios do conglomerado para mídia e telecomunicações, ingressando nos conselhos de Beaverbrook Newspapers, The Economist e The Telegraph.

Na entrevista que concedeu em 2002 com a Bloomberg News, Rothschild disse sobre seu trabalho: “Todo dia, algo novo surge do nada e alguém me pergunta se posso ajudar. Não pretendo ser uma pessoa de porcas e parafusos. Sei bastante sobre certas coisas, mas não sou advogado, não sou engenheiro, não sou contador. Mas isso não impede você de usar seu bom senso.”

Colecionador de arte, conhecedor de vinhos e dono de cavalos de corrida puro-sangue que contava com Bill e Hillary Clinton entre seus amigos, Rothschild viajou por muitos anos entre Londres e Ascott House, uma propriedade rural em Buckinghamshire, adquirida por seu avô em 1876 e decorada com porcelana da Ásia e pinturas de antigos mestres, como Rubens.

O primeiro casamento de Rothschild, com Jeannette Ellen Dorothy Bishop, terminou em divórcio. Com sua segunda esposa, Victoria Lou Schott, ele teve três filhos: Jessica, Anthony e David. Esse casamento também terminou em divórcio. Em 2000, Rothschild casou-se com Lynn Forester, nascida nos Estados Unidos, co-fundadora da empresa de rede telefônica FirstMark Communications Europe SA.