Evento adverso em teste com CoronaVac foi suicídio de voluntário, diz mídia

·1 minuto de leitura
Caixa da SInovac

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - O evento adverso que levou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a suspender os testes no Brasil com a CoronaVac, da chinesa Sinovac, foi o suicídio de um voluntário, disse nesta terça-feira a TV Cultura.

A emissora pública ligada ao governo do Estado de São Paulo afirmou em que obteve o laudo do Instituto Médico Legal (IML) que apontou o suicídio do voluntário que participava dos testes da vacina, cujo estudo no país é feito pelo Instituto Butantan, também vinculado ao governo estadual.

Posteriormente, a TV Globo e o jornal O Estado de S. Paulo também reafirmaram a informação da emissora.

Procurado, o Butantan disse que não pode comentar.

Mais cedo, em entrevista coletiva, o presidente do instituto, Dimas Covas, se recusou a dar detalhes do caso, alegando questões de ética em pesquisa e de sigilo, mas assegurou por mais de uma vez que o evento adverso citado pela Anvisa não tem relação com a vacina.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos