Evento adverso em teste com CoronaVac foi suicídio de voluntário, diz mídia

Por Eduardo Simões
·1 minuto de leitura
Caixa da SInovac
Caixa da SInovac

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - O evento adverso que levou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a suspender os testes no Brasil com a CoronaVac, da chinesa Sinovac, foi o suicídio de um voluntário, disse nesta terça-feira a TV Cultura.

A emissora pública ligada ao governo do Estado de São Paulo afirmou em que obteve o laudo do Instituto Médico Legal (IML) que apontou o suicídio do voluntário que participava dos testes da vacina, cujo estudo no país é feito pelo Instituto Butantan, também vinculado ao governo estadual.

Posteriormente, a TV Globo e o jornal O Estado de S. Paulo também reafirmaram a informação da emissora.

Procurado, o Butantan disse que não pode comentar.

Mais cedo, em entrevista coletiva, o presidente do instituto, Dimas Covas, se recusou a dar detalhes do caso, alegando questões de ética em pesquisa e de sigilo, mas assegurou por mais de uma vez que o evento adverso citado pela Anvisa não tem relação com a vacina.