Evento em São Paulo homenageia general iraniano morto pelos EUA

WÁLTER NUNES
SÃO PAULO, SP, 05.01.2019: - Cerimônia em homenagem aos mortos em ataques americanos no Irã, e também ao comandante militar iraniano Qasem Soleimani, e pelo líder de milícias iraquiano Abu Mahdi al-Muhandis, no Hotel Paulista Wall Street, em São Paulo, neste domingo (5). (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um evento em homenagem à memória do general iraniano Qassim Suleimani, morto em um ataque aéreo realizado pelos Estados Unidos, reuniu cerca de cem pessoas em um hotel da capital paulista, neste domingo (5).

Suleimani era o principal comandante militar do Irã e segundo homem na hierarquia do país, atrás do líder supremo, o aiatolá  Ali Khamenei. Ele foi atingido por bombas lançadas de um drone norte-americano ao Aeroporto Internacional de Bagdá, na madrugada de sexta-feira (3). 

No evento, realizado pela comunidade iraniana em São Paulo, Suleimani foi tratado como mártir. "Foi martirizada uma pessoa importante no mundo inteiro", disse o xeique Houssein Khaliloo, líder religioso do Centro Imam Mahdi, em São Paulo. "Ele lutou para apoiar os oprimidos contra o terrorismo", completou.

Vídeos sobre a vida do general foram veiculados nos intervalos dos discursos. Antes das falas, foi feita a leitura do Alcorão, o livro sagrado dos muçulmanos. 

O ex-deputado federal Jamil Murad fez críticas ao governo do presidente Jair Bolsonaro e falou sobre a necessidade de mobilização da sociedade brasileira. 

"Não é justo o Brasil ser um empregado submisso dos Estados Unidos nesta guerra", afirmou Murad. "O Estado brasileiro não pertence a um presidente da República ou a um grupo."

"Nós brasileiros vamos ter que mobilizar o Congresso Nacional, as entidades, as personalidades. Temos a possibilidade de mobilizar as amplas forças do país", completou Murad. 

O xeique Rodrigo Jalloul encerrou o evento dizendo que o martírio de Suleimani serviu para a união de povos com o mesmo propósito. "O sangue derramado conseguiu nos unir e estamos todos agora falando sobre justiça."

O corpo de Suleimani foi velado em Bagdá e em diferentes municípios do Irã durante o fim de semana. Seus restos mortais devem chegar à capital Teerã na segunda (6). Ele será sepultado no dia seguinte, em sua cidade natal, Kerman, no leste do país.