Evento-teste reúne feiras de economia criativa no Memorial da América Latina, em SP

·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O segundo evento-teste para a retomada das atividades com público no estado de São Paulo acontece neste final de semana no Memorial da América Latina, na Barra Funda, zona oeste da capital. No sábado (21) e domingo (22), o espaço reúne 16 feiras de economia criativa, com mais de 100 expositores no total.

É a primeira edição da chamada "Feira das Feiras Criativas", aberta para o público em geral, das 11h às 19h. No local, ao ar livre, os visitantes podem adquirir produtos e conhecer comerciantes do ramo de economia criativa, que inclui moda, artesanato, arte, design e gastronomia.

A quantidade de pessoas é limitada para evitar aglomerações. Os ingressos permitem a entrada com hora marcada e devem ser comprados antecipadamente pela internet pelo valor de R$ 10.

Ao chegar no evento, todos os visitantes serão submetidos a testes rápidos para detectar possíveis casos de coronavírus. Se a pessoa testar positivo, receberá orientações de isolamento e não poderá entrar no evento, recebendo o dinheiro do ingresso de volta.

A testagem também será obrigatória para expositores, imprensa e funcionários em geral.

O monitoramento dos participantes após o evento será feito pelo governo do estado, gestão João Dória (PSDB). Mensagens de texto com questionários relacionados a eventuais sintomas da Covid-19 serão enviadas após 3, 5, 10 e 14 dias da realização. Também haverá retestagem amostral, ou seja, um grupo aleatório será selecionado para fazer um segundo teste após a feira.

O primeiro evento-teste do segmento foi realizado no mês passado, em Santos (72 km de SP). A feira da Baixada Santista, porém, não era aberta ao público em geral. Para participar era preciso fazer um credenciamento.

OUTROS PROTOCOLOS ADOTADOS

Os protocolos de segurança contam com a chancela do Centro de Contingência da Covid-19 e, além da testagem, o uso de máscaras é obrigatório e haverá recomendações de uso, substituição e descarte para diferentes tipos de máscaras.

Outras ações específicas fazem parte do planejamento, explica Beto Lago, integrante da comissão de articulação, planejamento e produção do evento. Entre os expositores do ramo de gastronomia, a degustação está proibida. "Para comer, há uma área reservada de restaurante e alimentação", diz.

Lago também explica que não há provadores para os visitantes experimentarem as roupas que serão comercializadas.

"Adaptamos alguns procedimentos que existem no comércio online para o mundo real. Vai ser uma grande aproximação, uma mistura híbrida do que é o e-commerce com o comércio tradicional de feira de rua", esclarece o organizador.

EXPOSITORES

Segundo uma pesquisa realizada no ano passado pelo Núcleo de Pesquisa e Inteligência de Mercado da São Paulo Turismo e o Observatório de Turismo e Eventos, 89% do comércio no setor da economia criativa na cidade de São Paulo é composto por feiras fixas ou itinerantes.

Por esse motivo, 16 delas foram trazidas para o espaço do Memorial da América Latina com o objetivo de retomar a atividade do setor seguindo os protocolos de saúde.

"A economia criativa e o empreendedorismo foram a grande salvação de todos que perderam o emprego na pandemia. É muito importante ter esse reconhecimento por parte da prefeitura e do estado em cima de tudo que podemos fazer em um momento como esse", defende Lago.

Para o fotógrafo e padeiro, Túlio Vidal, 36, a economia criativa surgiu como oportunidade após o início do isolamento em março de 2020. Há 15 anos trabalhando com fotografia, ele resolveu apostar em seu hobby de panificação natural, quando viu seus trabalhos sendo cancelados em sequência.

O que começou como uma venda de pães para vizinhos virou o atual negócio da família, a Artesanal Pães. O estúdio de fotografia virou uma padaria e, junto com sua esposa, Beatriz, Túlio vende pães de fermentação natural, brioches, ciabattas, cookies, entre outros produtos.

"Eu não fui obrigado a virar padeiro, porque os trabalhos de foto acabaram voltando aos poucos. Só que optei por investir meu tempo na padaria", explica. "Eu passei a ficar mais tempo em casa, próximo da família e acabei descobrindo essa oportunidade de negócio junto à família."

Na Feira das Feiras Criativas, ele e a mulher estarão vendendo variados pães e doces, que custam entre R$ 7 e R$ 24.

Túlio explica que eles precisaram adaptar-se para diminuir a exposição dos produtos e o contato dos visitantes com eles, buscando maior segurança nos protocolos de higiene. "Estamos levando todos os produtos embalados e porcionados. O cliente vai chegar e poder escolher meio pão fatiado ou um pão inteiro, por exemplo", diz.

"Não estou com metas de vendas, mas estamos usando essa feira como uma vitrine e também como uma maneira de nos adequarmos às melhores práticas de fazer uma feira segura, além de passar essa segurança pro cliente", relata o padeiro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos