Quais foram os maiores tsunamis do mundo?

Redação Notícias
·6 minuto de leitura
Getty Images
Getty Images

De acordo com a comunidade científica internacional, o maior tsunami do mundo aconteceu em 1958, quando uma onda de mais de 500 metros de altura invadiu a Baía de Lituya, no Alasca (EUA). Na ocasião, um terremoto de 7.8 graus na escala Richter provocou um enorme deslizamento de terra e gelo para dentro do mar, elevando bruscamente o nível da água e causando uma devastação na vegetação local que pode ser estudada até hoje.

Mas apesar de ser considerado o maior tsunami do mundo, o evento está longe de ser o mais mortífero já registrado, tendo matado apenas cinco pessoas na região pouco habitada da América do Norte. Tal título ingrato pertence ao tsunami de 2004, no Oceano Índico, que tirou a vida de mais de 220 mil pessoas em países como Indonésia, Sri Lanka, Índia e Tailândia.

O que é um tsunami?

Assim como aconteceu no Alasca em 1958 e nos Oceanos Índico e Pacífico, em 2004 e 2011, respectivamente, um tsunami pode ser caracterizado por um grande e repentino deslocamento de água que, dependendo de sua força, é capaz de invadir quilômetros de terras litorâneas com ondas incontroláveis que arrastam tudo o que encontram pela frente.

Originalmente traduzido do japonês como “onda de porto”, o termo tsunami também pode ser aplicado a ondas gigantes formadas em mares e grandes lagos ao redor do planeta, desde que não estejam relacionadas a condições climáticas, marés e variações de profundidade no assoalho marítimo, fatores estes responsáveis pelas ondas que vemos todos os dias.

Como são formadas as ondas gigantes do tsunami?

Mais de 99% dos tsunamis registrados até hoje foram provocados por grandes abalos sísmicos submarinos, por isso, os maiores desastres do tipo foram vistos em países localizados próximos a junções entre placas tectônicas, como o Japão, que tem seu território constituído sobre as placas euroasiática, norte-americana, pacífica e filipina.

Nestes casos, as placas tectônicas se movimentaram de maneira tão brusca que foram capazes de deslocar grandes volumes de água em altíssimas velocidades. Porém, erupções vulcânicas seguidas de grandes deslizamentos de terra para dentro da água e impactos massivos sobre a superfície oceânica, como os causados por asteroides, também podem gerar tsunamis.

Veja quais foram os 10 maiores tsunamis do mundo (por número de mortos):

  • Oceano Índico (2004)

No dia 26 de dezembro de 2004, um terremoto de 9.2 graus na escala Richter com epicentro na costa da Sumatra foi responsável pela formação do maior tsunami do mundo. A onda viajou por todo o Oceano Índico, destruindo zonas costeiras de países como Indonésia, Sri Lanka, Índia, Tailândia, Bangladesh e Maldivas. Mais de 220 mil pessoas morreram.

  • Messina, Itália (1908)

Localizada sobre a junção das placas africana e euroasiática, a ilha de Sicília, na Itália, foi chacoalhada por um terremoto de 7.1 graus na escala Richter no dia 28 de dezembro de 1908. Dez minutos após o início do abalo sísmico no Mar Mediterrâneo, ondas gigantes invadiram o território italiano, destruindo principalmente as cidades de Messina e Reggio Calabria. Mais de 123 mil pessoas não conseguiram escapar da força do segundo maior tsunami do mundo.

  • Krakatoa, Indonésia (1883)

O terceiro maior tsunami do mundo foi causado pela segunda maior erupção vulcânica já registrada na história. No dia 26 de agosto de 1883, o famoso vulcão Krakatoa, na Indonésia, explodiu para ser ouvido a mais de 3000 km de distância e levou cerca de 70% da ilha em que está situado para dentro do mar. Com mais de 40 metros de altura, as ondas viajaram por todo o Oceano Índico, levando entre 36 e 120 mil vidas com elas.

  • Lisboa, Portugal (1755)

Um estudo realizado entre a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e pesquisadores portugueses concluiu que, em 1755, o grande terremoto que destruiu a cidade de Lisboa provocou um tsunami que viajou de Portugal até a costa brasileira, sendo testemunhado principalmente na região nordeste. Acredita-se que o epicentro do tremor estimado em 9 graus na escala Richter tenha sido a cerca de 300 quilômetros da costa portuguesa, no chamado Banco de Gorringe, e seus efeitos tenham matado até 50 mil pessoas.

  • Mar Egeu, Grécia (por volta de 1500 a.C.)

Atualmente, Santorini é um dos principais destinos turísticos da Europa, mas há cerca de 3500 anos sua paisagem estava longe de ser considerada paradisíaca. Ainda chamada de Thera, a ilha foi transformada em um verdadeiro inferno quando seu vulcão entrou em erupção, sendo até hoje uma das mais poderosas da história. Assim como no caso do Krakatoa, deslizamentos massivos para dentro da água geraram ondas gigantescas que, de acordo com pesquisas, completaram a catástrofe responsável pela morte de 30 a 100 mil pessoas no Mar Egeu.

  • Nankai, Japão (1498)

Pouco antes do descobrimento do Brasil pelos portugueses, do outro lado do mundo o Japão já sofria com forças mortíferas vindas do mar. Após um abalo sísmico de 8.6 graus na escala Richter que elevou o assoalho oceânico em cerca de quatro metros, tsunamis invadiram cidades japonesas litorâneas e deixaram mais de 40 mil mortos.

  • Hoei, Japão (1707)

O território japonês voltou a ser atacado por ondas gigantes após outro terremoto de 8.6 graus na escala Richter, desta vez com epicentro a cerca de 250 km do anterior. Ondas de até 25 metros de altura destruíram zonas costeiras no Japão e na Coreia, deixando mais de 30 mil mortos. Acredita-se que o abalo sísmico tenha sido responsável pela última erupção do Monte Fuji, próximo a Tóquio, que aconteceu 49 dias depois.

  • Sanriku, Japão (1896)

Pouco menos de 200 anos após o desastre de Hoei, um terremoto de 8.5 graus na escala Richter seguido de tsunamis deixou mais de 25 mil mortos no Japão. De acordo com relatos, as ondas foram percebidas até no Havaí, a mais de seis mil quilômetros do epicentro, quando ainda contavam com cerca de nove metros de altura.

  • Arica, Chile (1868)

Assim como o Japão, o Chile também está em uma zona que sofre com abalos sísmicos diários, e alguns deles alcançam forças devastadoras. No dia 13 de agosto de 1868, um terremoto causado pela movimentação entre as placas de Nazca e a sulamericana pode ter chegado a 9 graus na escala Richter, deixando mais de 25 mil mortos. Com até 16 metros de altura, os tsunamis gerados pelo tremor chegaram à cidade de Arica, próxima à fronteira com o Peru, em menos de uma hora. Mais tarde, foram percebidos na Austrália, no Havaí e no Japão.

  • Tohoku, Japão (2011)

A lista dos maiores tsunamis do mundo fica completa com um evento que você provavelmente assistiu pela TV ou pela internet. Há dez anos, um terremoto de 9.1 graus na escala Richter ergueu ondas que ultrapassaram 40 metros de altura e entraram por mais de 10 quilômetros no território japonês arrastando tudo o que encontravam pela frente. Em alto mar, o tsunami atingiu a velocidade de 700 km/h, sendo percebido em países por todo o Oceano Pacífico.

Considerado o quarto terremoto mais forte da história com registros científicos, causou a morte de mais de 15 mil pessoas e cerca de US$ 360 bilhões em prejuízos estruturais. Na ocasião, o tremor seguido de ondas gigantes provocou a explosão de três reatores nucleares da Usina de Fukushima, que segue sem uma solução definitiva para o vazamento radioativo.