Evidências indicam que forças israelenses mataram jornalista da Al Jazeera, diz escritório de Direitos Humanos da ONU

Retrato da jornalista palestina Shireen Abu Akleh, morta durante operação israelense em Jenin, é exposto na sede da Al Jazeera, em Doha

LONDRES (Reuters) - Evidências mostram que foi a munição disparada pelas forças de segurança israelenses que matou a repórter palestina Shireen Abu Akleh, que atuava para a Al Jazeera, em maio, e não os tiros indiscriminados dados pelos palestinos, disse nesta sexta-feira um porta-voz do escritório de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU).

"É profundamente perturbador que as autoridades israelenses não tenham conduzido uma investigação criminal", disse Ravina Shamdasani em um briefing em Genebra.

Autoridades israelenses e palestinas trocaram recriminações sobre o incidente, o que aumentou as tensões. Israel negou que qualquer soldado israelense "tenha como alvo um jornalista".

(Reportagem de Matthias Williams)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos