Evo Morales renuncia à Presidência da Bolívia

SYLVIA COLOMBO
***FOTO DE ARQUIVO*** NOVA YORK, EUA - 23.09.2019 - ONU-NOVA YORK - Evo Morales, Presidente da Bolivia durante encontro com Antonio Guterres Secretário-geral das Nações Unidas na sede das Nações Unidas (ONU) em Nova York nos Estados Unidos nesta segunda-feira, 23 setembro. (Foto: Vanessa Carvalho/Brazil Photo Press/Folhapress)

BUENO AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - Evo Morales anunciou na televisão, na tarde deste domingo (10) sua renúncia à Presidência da Bolívia, após pressão das Forças Armadas e protestos intensos em todas as grandes cidades do país.

Morales já havia convocado novas eleições no começo do dia e pedido que se reduzisse a tensão no país, após três semanas de enfrentamentos violentos que causaram três mortes e deixaram mais de 300 feridos nas principais cidades do país.

A tensão aumentou ao longo do domingo, com a oposição insistindo que Evo renunciasse. O comandante das Forças Armadas, Williams Kaliman, fez um pronunciamento na televisão à tarde, em que sugeria que Evo Morales renuncie a seu mandato, para pacificar as ruas.

Por volta das 17h (horário de Brasília), o avião presidencial decolou do aeroporto de El Alto, em La Paz, onde o presidente estava desde a manhã do domingo, alimentando especulações de que ele poderia estar deixando o país. Em vez disso, porém, aterrissou no aeroporto de Chimoré, perto de Cochabamba, um reduto político de Morales, onde este tem uma casa.

O anúncio do novo pleito foi feito pelo mandatário na manhã do domingo, depois que o secretário-geral da OEA (Organização dos Estados Americanos), Luis Almagro, pediu a anulação das eleições na Bolívia, após auditoria realizada na apuração dos votos. Almagro instou o governo de Morales a convocar novas eleições.