Exército alemão investiga soldados por saudações a Hitler

BERLIM (Reuters) - A agência de contraespionagem militar alemã está procurando 275 suspeitos de extremismo de direita em suas equipes, incluindo um soldado que teria dito "Heil Hitler", disse o Ministério da Defesa em uma carta enviada ao parlamento e vista pela Reuters neste domingo.

Cerca de 143 destes casos foram relatados ano passado e 53 neste ano, escreveu o ministério em sua resposta de 15 páginas, detalhando incidentes com soldados realizando saudações nazistas ou fazendo observações racistas contra soldados com origens migrantes.

As exibições públicas de símbolos e saudações nazistas são ilegais na Alemanha, onde a maioria das pessoas repudia qualquer nível de simpatia com a ditadura responsável pelo Holocausto.

A carta observou a maneira negligente com a qual alguns dos casos mais sérios foram lidados.

Um destes incidentes é o Caso 29, que envolveu um soldado que foi ouvido dizendo ostensivamente "Heil Hitler", "Salve nosso líder" e "Sieg Heil, camaradas", disse o ministério.

"O caso foi levado ao promotor militar e à promotoria pública, mas não aconteceu nem uma dispensa adiantada ou proibição de serviço", escreveu o ministério ao parlamento.

Outro caso envolveu um soldado que usou uma página do Facebook associada ao partido de extrema direita Partido Nacional Democrático (NPD) para disseminar observações racistas, incluindo exigências de pena de morte para "estrangeiros típicos".

O Tribunal Constitucional Alemão disse em janeiro que o NPD parecia com o partido nazista de Adolf Hitler, mas foi contra bani-lo porque era muito fraco para colocar a democracia em perigo.

O ministério disse que o soldado foi "apenas disciplinado".

Em um terceiro caso, um soldado pode manter sua arma após ter sido disciplinado por realizar a saudação nazista em uma viagem à Riga, capital da Letônia.

A imprensa alemã noticiou no ano passado que há sinais de que islamistas estavam tentando entrar para as forças armadas alemãs para obter treinamento militar com o possível objetivo de realizar ataques na Alemanha.

(Por Andreas Rinke)